O jogo

O jogo

Oscar Quiroga

15 de dezembro de 2013 | 04h42

 

Às 4h42 de domingo 15-12-13 a Lua quase CHEIA ingressou em Gêmeos e está em quadratura com Netuno, trígono com Marte, sextil com Urano e oposição a Mercúrio até 16h17 de segunda-feira 16-12-13, horário de verão de Brasília.

Um misto de sensação e certeza, de algo que paira no ar, um quê invisível, mas que dá para sentir, te leva a assumir a iniciativa de apostares em que, dessa vez, tudo vai dar certo.

E por que não? A vida não é uma brincadeira? Melhor brincar tudo que for possível, ainda que, por enquanto, não compreendas sequer quais são as regras desse jogo, mesmo assim podes brincar e, enquanto brincas, aproveitar para entender como se joga esse jogo.

Com o tempo te acostumas a isso e entendes a tua versão do jogo, e com o tempo te acomodas a essa situação, tendo a certeza inefável de que agora o dominas, que Tu estás com as rédeas na mão, conduzindo o destino.

Ao teu redor, os outros jogadores também sentem o mesmo e, assim, todos adquirem o direito de declarar que suas versões específicas do jogo são as mais verdadeiras, degringolando tudo em conflito e discussões, todas com o firme intuito de cada um dos participantes declarar em alto e bom som que sua versão particular do jogo é a verdade absoluta.

Enquanto isso, o jogo nos joga, brinca conosco e com nossas limitações; os conflitos em que nos metemos para tentar declarar que nossa versão particular do jogo é a maior e melhor também fazem parte do jogo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.