O jogo de espelhos distorcidos

O jogo de espelhos distorcidos

Oscar Quiroga

23 de abril de 2013 | 04h26

Às 4h26 de terça-feira 23-4-13 a Lua que cresce ingressou em Libra e está em oposição a Urano, quadratura com Plutão, trígono com Júpiter e oposição a Mercúrio até 9h13 de quarta-feira 24-4-13, horário de Brasília.

Aquilo que você critica em outrem, você percebe porque há algo disso em sua própria vida interior e, pela magia da transferência, você enxerga com clareza lancinante nas pessoas que você critica.

Este é um processo infalível, que domina a grande maioria dos relacionamentos humanos, impedindo que nossa humanidade enxergue sujeitos livres ao seu redor, passando a enxergar distorções de sua própria mente montadas sobre objetos que parecem humanos.

Bem-vinda seja sua alma à realidade das distorções psíquicas, esse espelho cheio de imperfeições mediante os quais nos vemos acima de toda distorção (fato que nunca admitiremos, sequer a nós mesmos, quanto menos a outras pessoas) e ao mesmo tempo enxergamos os “semelhantes” como depositários de tudo que não queremos admitir, nos dedicando impiedosamente a atacá-los.

E apesar de que a maioria dos incidentes contidos nos relacionamentos humanos, que mais se caracterizam pelo conflito do que pela harmonia, poderia se explicar assim, também acontece de haver seres dignos de ser atacados, porque cometem abusos e existem disseminando os erros e equívocos.

A luta contra esses se torna mais difícil ainda como resultado de toda nossa humanidade ter se tornado muito ineficiente na detecção do processo de transferência, acabando que parece que lutar contra sujeitos que espalham o mal seja também mais um processo distorcido de transferência.

Bem-vinda seja sua alma às injustiças sociais, que fazem parecer banais algumas lutas que são cruciais.

No processo de discernimento que supera o processo de transferência estamos sós, apesar de ser um exercício que é comum a todos nós.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: