Novo ciclo de riquezas

Oscar Quiroga

19 de agosto de 2011 | 09h37

 

Às 9h37 de sexta-feira 19-8-11 a Lua que míngua ingressou em Touro e permanece em trígono com Plutão e conjunção com Júpiter até 6h14 de sábado 20-8-11, horário de Brasília.

 

Um novo ciclo de riquezas iniciou há bastante tempo já aqui na Terra, não foi possível notar a novidade porque o sistema atual se ocupou de obstruir a reforma.

Contudo, não tendo força suficiente para deter o destino, contemplamos agora o fim da civilização como a conhecemos.

Não devemos nos enganar com a aparência, o fim não é o eixo central dos acontecimentos, mas a emergência da nova onda da civilização, não tão ideal, amorosa, bela e inteligente quanto imaginamos que viria a ser, mas certamente infinitamente melhor do que a anterior, que não é mais.

Um novo ciclo de riquezas foi iniciado porque é justo que o reino humano produza riquezas e viva com bem-estar e progresso. Se isso não ocorreu até aqui não foi por falta de recursos, mas por ideologias mesquinhas, que estão se desintegrando.

Um novo ciclo de riquezas significa que os ricos do futuro estão em gestação agora mesmo e são muito diferentes dos atuais, porque as riquezas não se acumularão mais na mão de poucos, serão distribuídas no melhor estilo idealista, mas nada a ver com as utopias de esquerda.

Acontece que o novo ciclo de riquezas traz até a consciência humana a percepção de que o tesouro está em outro lugar diferente de onde foi buscado até aqui.

 

Próximo boletim será publicado às 6h14 de 20/8/11

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: