Natureza inerte

Natureza inerte

Oscar Quiroga

19 de julho de 2014 | 05h43

 

Às 5h43 de sábado 19-7-14 a Lua QUARTO MINGUANTE ingressou em Touro e está em quadratura com Júpiter, sextil com Vênus, Netuno e Mercúrio, trígono com Plutão, oposição com Saturno e sextil com Sol até 11h12 de segunda-feira 21-7-14, horário de Brasília. No mesmo período, Saturno retoma progradação.

O melhoramento do ser interno e subjetivo é teuverdadeiro destino, a superação de tuas fraquezas, de tua triste e fraca vontade, da tua falta de tenacidade na conquista dos propósitos que enxergas,mas que ainda tratas com preguiça e indolência,como se tivesses outros assuntos mais importantes para tratar.

A respeito de cada problema que enfrentas Tu tens à disposição inúmeros remédios,todos muito eficientes,porém, o verdadeiro problema reside na falta de vontade para colocá-los em prática, pois todos representam o domínio da tua própria natureza, e isso não é algo que possa ser atingido de forma automática.

Tudo exige disciplina de tua parte, exige esforço e constância, e principalmente exige uma boa vontade, uma vontade firme que não se apavore quando os primeiros demônios aparecerem, ou que não se deixe seduzir pelas ilusões que, irremediavelmente, aparecerão no caminho, porque quem começa a fazer com que sua luz espiritual aumente, aquela que garante a participação nos eventos cósmicos, torna sua presença uma influência marcante.

O conhecimento do divino não é privilégio de ninguém, todo e qualquer ser humano é capacitado a perceber o divino, nós todos possuímos o conhecimento, nós também somos capazes de reconhecer a urgência com que esse conhecimento deve ser colocado em prática, e percebemos a imensa dificuldade que nos espera e até diante dessa criamos um panorama mental onde nos vemos participando e fazendo o necessário, porém, no dia seguinte já estamos novamente com nossa vontade enfraquecida, pois é no colocar em prática nossos quereres que nós falhamos.

Sabemos tudo, reconhecemos tudo, mas falhamos na coluna vertebral do caminho da retidão, que é colocar em prática a vontade de fazer o necessário e nunca desistir desse querer.

Nossa dificuldade essencial tem suas raízes na própria natureza de nossos corpos físicos, e em algo que nos é muito antigo, e por isso inútil também.

É a nossa natureza inerte, uma certeza antiga, muito antiga, que nos leva ao convencimento de que devemos esperar que os instintos nos carreguem, da mesma forma com que os instintos carregam os animais ao seu destino.

Porém, nós não somos mais animais, somos humanos, e nossos instintos não nos carregarão a outro destino que o da indolência, pois não são mais úteis a nós.

Nós somos humanos porque devemos decidir nosso destino, e pela força de nossa decisão chegarmos lá com nossos próprios meios, tendo a vontade como alimento essencial de todo esforço que se dirige à prática.

Enquanto isso não acontecer, nós até podemos ter uma visão clara do que devemos fazer, sabermos inclusive que é desejável fazê-lo, mas veremos também os dias passarem e nós não faremos nada, continuaremos esperando que os mistérios do destino ajam por si mesmos.

Por isso, é fundamental que façamos a nós mesmos algumas perguntas diariamente, de modo que suas respostas nos esclareçam e encorajem a continuar trilhando com dignidade um caminho que é para lá de difícil.

A primeira pergunta é:POR QUE SERÁ QUE NÓS NÃO QUEREMOS REALIZAR O QUE MENTALMENTE SABEMOS SER ABSOLUTAMENTE DESEJÁVEL REALIZAR?

E a outra pergunta que devemos fazer diariamente é O QUE PODEMOS FAZER PARA QUERER FIRMEMENTE AQUILO QUE RECONHECEMOS SER O MELHOR PARA NÓS E PARA NOSSA ESPÉCIE?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: