Murmúrio cruel

Murmúrio cruel

Oscar Quiroga

27 de abril de 2013 | 08h33

Às 8h33 de sábado 27-4-13 a Lua Cheia que começou a minguar ingressou em Sagitário e está em quadratura com Netuno, trígono com Urano e oposição a Júpiter até 12h08 de domingo 28-4-13, horário de Brasília. No mesmo período, Sol e Saturno em oposição.

Fofocas, maledicências ou mesmo comentários irônicos travestidos de inocentes são venenos secretos que paralisam os relacionamentos sociais de quem é alvo desses.

São secretos porque as pessoas nunca darão a cara, elas mesmas se sentirão inocentes, pois não fazem nada além do que sustentar uma conversa trivial, que não vai dar em nada.

Palavra nenhuma proferida por um ser humano nunca dá em nada, sempre em algo, um algo que se mede pelo somatório e que, por isso, parece não ter rosto, ser secreto.

Quem se ocupa em transmitir ou receber maledicências rouba um pouco do brilho que alguém, com muito esforço, tenta transmitir.

Coloque-se você, durante um momento, no lugar de alguém sobre o qual se fazem comentários maldosos, você gostaria de estar nessa situação?

Tudo isso ocorre porque nossa humanidade é cheia de vitalidade, mas carente de objetivos definidos e, por isso, perde seu tempo e se desorienta através do que por ventura pintar por aí.

Do jeito que andam as coisas, espontaneamente não pinta nada bom, só mediocridade, e isso não por falta de profundidade e dignidade, mas porque aqueles humanos que se empenham na elevação andam fechando a boca e se distanciando do mundo.

Que retornem os alquimistas! Para nos ensinarem a fazer de todo esse lixo um ouro sublime, que ricos seríamos todos se conhecêssemos o mistério da transmutação!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: