Mais semelhantes do que diferentes

Mais semelhantes do que diferentes

Oscar Quiroga

05 de fevereiro de 2014 | 07h47

 

Às 7h47 de quarta-feira 5-2-14 a Lua ingressou em Touro para cumprir sua fase QUARTO CRESCENTE em sextil com Mercúrio, Netuno e Júpiter, trígono com Plutão e Vênus, e oposição a Saturno até 2h49 de sexta-feira 7-2-14, horário de verão de Brasília. No mesmo período, Mercúrio inicia retrogradação.

Temos todos muito mais em comum do que de diferentes, mas apesar de reconhecer isso continuamos insistindo em sermos únicos e originais acima de tudo e, desafortunadamente, de todos também, mesmo sendo mais semelhantes do que diferentes.

Essa insistência na diferença é a fonte de inúmeros problemas dos quais te queixas amargamente a cada solitário instante do estreito destino que construiste para ti, esse labirinto existencial que te atormenta, mas ao qual tua alma está apegada, essa estreiteza inútil, porém, a essa te agarras como se não houvesse nada mais para fazer aqui na Terra.

Tens medo de perder de vista “teu mundo”, “tua vida”, “teu destino”? Não deu ainda para constatar que a semelhança entre todos nós não desintegra nem empobrece “tua vida”? A única forma de enriqueceres se apoia justamente em reconheceres que, acima de tudo, és um semelhante e não um diferente.

O espaço em comum é maior do que teu espaço individual, o relacionamento entre as pessoas é maior do que cada uma delas individualmente. A lista de constatações é enorme, mas ainda estás aí, com a alma tão agarrada ao âtomo individual que perdes a oportunidade de conhecer o infinito.

Quando começares a sair de ti começarás também a entender tua própria grandeza, até lá serás mais uma das tantas almas que tentam, em vão, colocar o pequeno no lugar do grandioso.

Não precisas competir mais, abandona esse frenesi absurdo, teu progresso não depende do fracasso alheio, mas de estabeleceres vínculos de solidariedade e colaboração mutua. Neste planeta a regra é clara, ou todos progredimos, ou vivemos todos na miséria. O que? Pensas que não é assim? Os muros de tua casa não te salvam nem distanciam da miséria, essa surge de dentro, na mesquinharia que te impede sair de ti e conhecer o infinito. Podes ter viajado muito, teu passaporte pode estar cheio de carimbos e Tu o exibes com orgulho, mas se não saiste de dentro de ti, ainda não conheceste nada nem ninguém.

Não importa, te digo que estamos todos tentando sair de nós mesmos, até nisso somos semelhantes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.