Lua VAZIA

Lua VAZIA

Oscar Quiroga

06 de agosto de 2013 | 18h52

 

Das 18h52 de terça-feira 6-8-13 até 0h58 de quinta-feira 8-8-13, horário de Brasília, a Lua NOVA de Leão está VAZIA. No mesmo período, Júpiter e Plutão estão em oposição.

A estrutura do mundo chacoalha, incapaz de sustentar tudo que nela foi encostado ao longo de centenas de anos, empurrando às gerações vindouras o que as anteriores não quiseram ou tiveram medo de enfrentar.

Acontece que as gerações vindouras somos nós e pela constância da vida, que se reedita através das reencarnações, nós mesmos somos os que empurramos a nós mesmos esses problemas.

Vamos continuar empurrando o mundo como ele está, com fórmulas de convivência que nunca servem para fechar a conta? Que sempre são injustas, criando e amealhando riquezas enormes, mas produzindo miséria como subproduto de sua incapacidade de inventar um sistema mais justo? Vamos continuar fantasiando que isso seja responsabilidade dos governos e dos políticos? Está provado que não é, que a incompetência grassa de tal forma que eles e elas se protegem mutuamente como mafiosos, inclusive porque convencidos de que fazem tudo com boa vontade, com inteligência e perspicácia, e que seria justo se locupletarem, porque a estrutura do mundo é feita para isso.

É essa a estrutura que chacoalha diante de enormes riquezas que perdem seu valor, porque ninguém a domina, ninguém mais a consegue controlar.

Esse novo ciclo de riquezas que começou no ano 2007 com a conjunção de Júpiter e Plutão no signo de Sagitário atinge agora, na oposição entre Júpiter no signo de Câncer e Plutão no signo de Capricórnio, seu ponto de ruptura, o que permitirá que as coisas encontrem seu processo de renovação e não haja mais perigo de voltar atrás.

Isso, evidentemente, não aconteceria por obra e graça da boa vontade do mundo, certamente não. Isso aconteceria porque ninguém consegue dominar mais nada e, finalmente, a criatividade, que até aqui foi apenas uma palavra alardeada nos mundos governamental e corporativo, terá de ser brandida para inventar uma forma mais eficiente de governança e gerenciamento dos recursos e riquezas.

Enquanto isso, os humanos simples, convencidos de que não apitam nada, percebem a incongruência e contra ela se insurgem, já que a eles e elas lhes é aplicado todo o rigor da lei e tudo custa muito caro, qualquer deslize é duramente punido enquanto percebem que lá nas alturas olímpicas de governos e corporações, erros terríveis são sustentados e ninguém é verdadeiramente punido.

Duas regras e duas medidas não é algo que possa ser suportado.

O que não significa que todos devamos nos locupletar, como disse aquele enlouquecido governante brasileiro, mas, pelo contrário, que todos devemos fazer nossa parte para melhorar o mundo, sendo todos partícipes ativos do caminho da retidão e cobrando governantes e corporações para que façam o mesmo também.

Este período de Lua VAZIA não poderia ser dedicado ao “dolce far niente”, há coisa demais acontecendo…

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: