Lua VAZIA

Lua VAZIA

Oscar Quiroga

05 de junho de 2013 | 10h26

 

Das 10h26 de quarta-feira 5-6-13 até 0h33 de sexta-feira 7-6-13, horário de Brasília, a Lua que míngua em Touro está VAZIA.

E agora? O que fazer com tanto tempo livre no meio da semana útil?

Um verdadeiro problema para nossa humanidade mecanizada, que mede seu tempo de acordo com períodos pré-fixados por uma agenda industrial, que nos converte em engrenagens de seus sofisticados e cibernéticos mecanismos.

E, no entanto, apesar dessa distorção “civilizada”, o céu, representativo de uma ordem superior, determina que os períodos de objetivação e despreocupação se alternem de forma independente dessa agenda que oprime nossa humanidade.

Assim é que, enquanto este período perdurar, sendo de um tamanho considerável, nossa humanidade ganha licença cósmica para se despreocupar do incessante processo de objetivação, recolhendo-se em sua vida interior para buscar a fonte de sua vida.

Só falta combinar com os chefes e representantes da agenda civilizada que você não vai seguir nada do que a normalidade estipularia, se retirando para praticar a sagrada arte da despreocupação.

Se os representantes e legisladores da agenda civilizada suspendessem tudo durante um momento para observar melhor o desenrolar da vida, perceberiam que quando nossa humanidade é alegre e leve ela também produz muito mais.

Por isso, não teriam nenhum receio em declarar feriado todo período de Lua VAZIA.

Isso vai acontecer um dia, mas receio que não tão imediatamente quanto precisamos.

Enquanto isso não for assim, teremos de ser subversivos, agentes subjetivos que irradiem discreta, porém, firme influência, transitando pelos lugares e tempos da agenda civilizada, mas funcionando de acordo com tempos superiores, mais abrangentes.

Uma excelente maneira de sintonizar o que de melhor a Lua VAZIA pode oferecer é através das práticas espirituais, mas desprovidas de lamúrias ou de pedidos, praticadas em nome da veneração do Algo Maior em que nos movimentamos e experimentamos ser.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.