Lua VAZIA

Lua VAZIA

Oscar Quiroga

23 de março de 2013 | 00h29

Das 0h29 de sábado 23-3-13 até 12h50 de domingo 24-3-13, horário de Brasília, a Lua que cresce em Leão está VAZIA.

A única questão importante é (mas parecem duas): O mundo será melhor com sua presença? Ou você contribuirá para piorá-lo?

Não há neutralidade nesse quesito, o mundo é o somatório de todos nossos pensamentos, palavras e atos, você entra nessa por comissão ou mesmo por se omitir.

E o mundo nosso singra o infinito a velocidade estonteante, em algum lugar de nosso ser há o registro e a percepção dessa dimensão e, talvez, a capacidade de por ela navegar com destreza.

Dizem que pensar fora da caixa é um bom exercício mental; por que, então, não tentar todos os dias, mas principalmente nos períodos de Lua VAZIA, ir além das preocupações que normalmente serviriam para nos confinar em cubículos mentais?

Abandone o cubículo, a ele você retornará, com certeza, pois as preocupações e você são um caso de amor, não vivem sem o outro.

Agora o tempo é livre, você é o tempo, o espírito que alinhava o infinitesimal com o infinito.

Assim começa o encantamento, você e sua realidade se movimentam sincronizadas no pensar e fazer. Sem um ideal elevado para orientar o processo, o resultado é reforçar as paredes de um labirinto em que a alma de nossa humanidade repete incessantemente as mesmas intensidades de todas as épocas, mudando apenas o endereço, nome e modas das pessoas envolvidas.

Repetir-se é o contrário de criar e nossa humanidade exerce seu melhor papel através da criatividade, não da adequação.

Tome de volta o tempo que usurparam de você, envolva-se em assuntos que invoquem a presença do que houver de melhor no fundo de sua alma.

Use a imaginação para se aproximar dessas condições, conversando mentalmente, por exemplo, com a figura de qualquer tempo da história que você considerar venerável. Converse com franqueza com esta figura, dialogue de verdade.

O esforço mental, a imaginação, que você fizer para aproximar sua presença das melhores condições possível resultará no tipo de influência que você irradiará, sua contribuição ao mundo, para melhorá-lo ou piorá-lo.

Dessa decisão ninguém se livra, todos reconhecemos o fruto de nossas presenças.

Se achar tudo isso trabalhoso demais, você também pode simplesmente ceder ao cansaço e se retirar, porque a busca de intensidades facilmente se converte numa descida ao inferno, ao lado selvagem do bairro.

Que ninguém complique mais do que já está complicado, só isso já seria de grande ajuda ao mundo neste período.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: