Lua VAZIA

Lua VAZIA

Oscar Quiroga

20 de março de 2013 | 15h03

Das 15h03 de quarta-feira 20-3-13 até 3h51 de sexta-feira 22-3-13, horário de Brasília, a Lua que cresce em Câncer está VAZIA. No mesmo período, Vênus ingressa em Áries.

A partir deste momento e enquanto durar o período, sua alma está desobrigada de cumprir os deveres maçantes com os quais não consegue se identificar, a despeito de todos os anos em que continua repetindo-os.

Os únicos deveres que precisam ser sustentados durante as Luas VAZIAS são os que fazem circular os princípios éticos, sem os quais tudo o mais degringolaria. Quais seriam esses? Que todos os dias você se dedique a ajudar o maior número possível de pessoas sem nunca ofender ninguém intencionalmente. Que todos os dias você desempenhe honestamente seu papel familiar, de trabalhador e como cidadão no mundo inteiro. E que todos os dias você preste pelo menos uma vez a devida reverência à Vida de sua vida.

De resto, todos os outros “deveres” são criações distorcidas de uma sociedade humana que ainda se pauta pelo domínio de uns sobre outros, pela supremacia que se manifesta através de rígidas observâncias que não produzem alegria, felicidade ou sequer em nome do bem-estar e progresso.

Nada disso! Em todo este período de Lua VAZIA você ganha tempo livre, para você praticar a sagrada arte da despreocupação, porque almas despreocupadas, leves e alegres irradiam uma influência benéfica que facilita tudo para que outras pessoas também façam o mesmo.

E com o maior número possível de pessoas irradiando este tipo de influência o que temos como resultado é uma convivência pacífica. Nunca saberemos quantos crimes e equívocos deixariam assim de ser cometidos, mas isso é irrelevante, o assunto é andar por entre o céu e a terra com a maior despreocupação possível.

Enquanto isso, e como nossa humanidade finge que nada tem a ver com a ordem cósmica, e ainda por cima como é véspera de feriado, cuidado redobrado nas estradas, seres humanos desorientados e violentos dirigem máquinas mortíferas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: