Lua NOVA, as oscilações continuam

Lua NOVA, as oscilações continuam

Oscar Quiroga

08 de junho de 2013 | 00h33

 

Das 0h33 de sábado 8-6-13 até 5h30 de domingo 9-6-13, horário de Brasília, a Lua completa sua fase NOVA no signo de Gêmeos em conjunção com Júpiter. No mesmo período, Mercúrio e Urano estão em quadratura.

Enquanto as oscilações continuarem, e francamente não têm data certa para acabarem, pois suas reverberações se prolongam indefinidamente, melhor tentar se adaptar a essa condição da melhor forma possível, desenvolvendo jogo de cintura, ou ginga, como se sintetiza essa flexibilidade aqui na Terra Brasilis.

A ginga servirá para enganar e desnortear o que tenta enganar e desnortear você.

Eis uma questão que na hora do “vamos ver” nossa humanidade se esquece de atualizar, já que nessa hora a ansiedade fala mais alto.

Se houver condições desnorteadoras é porque nessa mesma hora você pode se armar e lutar com as mesmas armas, desnorteando o que tenta desnortear você.

Os adversários que tentam enganar você podem eventualmente estar representados em pessoas que defendem interesses discordantes com os seus, e tentam de todas as formas possíveis erradicar sua presença da mesa do jogo.

Porém, nem sequer essas pessoas estão acima das condições cósmicas da atualidade e, por isso, elas também estão sujeitas a ser enganadas e desnorteadas.

Aqui entra você no jogo, você, que pensou ser apenas uma vítima, você, que imaginou estar desprovido de armas e levando a pior.

Na melhor das hipóteses, o momento não seria de ficar calculando quem levaria a pior ou a melhor, mas se nossa humanidade fosse mais inteligente e astuta, aproveitaria o período para negociar, já que a negociação derivaria todos os esforços contraproducentes de enganação e desnorteamento para uma mesa na qual todas as partes envolvidas colocassem seus interesses e se chegasse, através de consenso, à melhor saída possível.

Porém, nossa humanidade ainda é bastante covarde e excessivamente ansiosa, e por isso raramente utiliza a melhor hipótese.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.