Lua Cheia e agressividade

Oscar Quiroga

09 de dezembro de 2011 | 00h53

Às 0h53 de sexta-feira 9-12-11 a Lua quase Cheia ingressou em Gêmeos e permanece em oposição a Mercúrio e quadratura com Marte até 2h44 de sábado 10-12-11, horário de verão de Brasília.

A iminência da Lua Cheia provoca uma nova reverberação de tensão agressiva, porque nossa humanidade ainda registra os acontecimentos de uma semana atrás e, também, porque não é purificada o suficiente para saber transparecer a glória sublime que é derramada neste planeta por ocasião de toda Lua Cheia.

Em vez de nossa humanidade sair dançando alegre e descontraída por aí, produzindo beleza e disseminando graças e divina loucura, faz exatamente o contrário, espalha desgraças e sua loucura é das piores possíveis. Tudo por falta de discernimento e de elevação espiritual.

Em todo período anterior à Lua Cheia os plantões de hospitais e delegacias ficam entulhados de ocorrências que revelam o lado mais estúpido de nossa humanidade.

Porém, não devemos pensar que nossa espécie esteja toda nivelada nessa estupidez, nada disso!

Os pessimistas de plantão, que fazem de suas críticas contra a humanidade o motivo essencial de suas vidas, são incapazes de aceitar que ao longo dos milênios nossa espécie só melhorou e, também, que produziu tendências sublimes e belas.

Essa corrente sublime pode ainda ser minoria, mas no caso da ligação com o plano mais elevado de manifestação o que importa não é a quantidade de pessoas, mas a qualidade delas.

A respeito deste momento em particular, é propício resistir à onda agressiva que pretende ressuscitar através das atitudes estúpidas que todos somos tentados a tomar.

Resistir à tentação significará ajudar os semelhantes a fazer o mesmo, resultando isso num mundo um pouco melhor, ainda que essa onda se dilua tanto que pareça ser inexistente.

Próximo boletim será publicado às 2h44 de 10/12/11

Tudo o que sabemos sobre:

Lua CHEIAlua em gêmeos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.