Lua CHEIA

Lua CHEIA

Oscar Quiroga

29 de setembro de 2012 | 10h15

Às 10h15 de sábado 29-9-12 a Lua ingressou em Áries, onde completa sua fase Cheia em conjunção com Urano e quadratura com Plutão até 0h19 de domingo 30-9-12, horário de Brasília. No mesmo período, Sol e Plutão em quadratura.

Enquanto nossa espécie humana dedica uma boa parcela do tempo existencial à preguiça e promove amplamente a desorientação e obscurecimento da consciência, há outras espécies, invisíveis, que continuam trabalhando o tempo inteiro para proteger as coisas funcionando da melhor forma possível.

Toda Lua Cheia acontece uma reunião, que também é um ritual, mediante o qual os planos são reformulados e as inquietações resolvidas. Tais reuniões, pela própria natureza dos Seres que participam dessas, é forte irradiadora e retransmissora de potências cosmogônicas, as quais precisam circular através de todas as espécies.

É aí que entra nossa humanidade, que pode atrapalhar e constranger essa circulação tanto quanto promover sua dinâmica ao ponto de alcançar profundidade e eficiência maiores que as originais.

Porém, raramente isso acontece, em geral nossa humanidade parece perpetuamente interessada em fazer outras coisas que considera mais importantes.

Aqui pergunto: o que seria tão mais interessante ou importante do que participar ativamente da Vida? Certamente nada!

Por que nossa humanidade está mais interessada em aspectos de valor menor e deixa de lado o que verdadeiramente libertaria sua alma e, também, transformaria sua presença no ALGO MAIOR que suspeita haver, mas que raramente se atreve a SINCRONIZAR, sempre bocejando como Macunaíma e declarando: “Ai, que preguiça!”

Os tesouros disponíveis para quem, combatendo a preguiça, se dedica a participar ativamente dessa circulação de Vida, são de um valor inimaginável. Que tolice faria nossa humanidade trocar esses tesouros por moedinhas? A tolice de negar a si mesma a conquista através do esforço, pois participar dos tesouros cósmicos é obra que se conquista por mérito, não por acaso.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.