Longa Lua VAZIA

Longa Lua VAZIA

Oscar Quiroga

16 de junho de 2012 | 09h10

Das 9h10 de sábado 16-6-12 até 2h25 de domingo 17-6-12, horário de Brasília, a Lua que míngua em Touro está VAZIA.

O que fazer com um sábado inteiro de Lua VAZIA que penetra madrugada adentro de domingo?

No mínimo, respirar fundo para assimilar a sabedoria do espírito e, assim, se prevenir para não enfiar os pés pelas mãos ou pisar na jaca por pura precipitação.

Nunca se esqueça, Luas VAZIAS só servem para a subjetividade, nunca para realizar objetivos definidos.

Como nossas personalidades são todas voltadas para a objetividade, não é muito difícil a gente pisar na jaca, inclusive motivados pela maior das boas vontades, que em períodos de vigília surgem sob os mais diversos e aparentemente sábios argumentos.

É completamente possível passar um bom tempo como este na vigília sem, no entanto, tentar objetivar coisa alguma, simplesmente se colocando na posição dessa testemunha interior que é nosso ser mais profundo, na qualidade de observadores da realidade.

Observar, por exemplo, quais são os sinais, que pássaros estão cantando, o que se ouve ao longe, que gestos fazem as pessoas inadvertidamente, enfim, milhares de informações que enquanto estamos tentando objetivar coisas nos passam despercebidas.

Porém, são essas informações subliminares que alimentam a subjetividade.

Dedique um bom tempo deste longo período de Lua VAZIA a meditar, a elevar orações, porém, não daqueles do tipo lamuriento, mas as alegres, que agradecem ao divino por tudo que foi recebido e agradecem por ter ainda oportunidades de manifestar seu melhor.

Ouvir música também é um exercício que valoriza a subjetividade, assim como também jogar conversa fora, sem a pretensão de se chegar a nenhuma conclusão através dessa.

Sair sem rumo fixo à rua, passeando, de preferência a pé ou de bicicleta, porém, tomando sumo cuidado com os desorientados e violentos, que ficam ainda mais desorientados e violentos quando a Lua está VAZIA, pois percebem que seus intentos e pretensões não conseguem realizar-se.

À noite, se você quiser se aventurar e se envolver nas baladas clássicas, tenha cuidado redobrado, as coisas podem ficar um pouco fora de controle demais e ir além da mera diversão, começando a flertar com o perigo.

Próximo boletim será publicado às 2h25 de 17/6/12

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.