Justiça

Justiça

Oscar Quiroga

11 de agosto de 2012 | 09h50

11-8-12 – sábado – Das 9h50 até 17h32, horário de Brasília, a Lua que míngua em Gêmeos está em conjunção com Júpiter.

A justiça será ambígua e as sentenças formuladas “para inglês ver” e, no entanto, o que parecerá injusto e indefinido aos olhos comuns, conduzirá o misterioso proceder da vida a uma revolução sem precedentes.

Neste momento não há condições para que a requerida justiça se torne exemplo marcante do que um povo precisa para compreender diretamente que não é possível ir além das regras, ficando claro que recebem todo o rigor da lei os que se atrevem a agir assim; não veremos esse espetáculo. O pão e circo que todo povo precisa para viver em aparente alegria seria, neste caso, o espetáculo do linchamento.

Porém, a justiça tarda, mas não falha; não vem investida de toga e com a pompa que a liturgia de um Estado requereria; no entanto, está a caminho.

Apreciaríamos que a justiça fosse linear, para poder compreendê-la, mas sendo indireta e maior do que aquela que é depositada nas mãos humanas tende a ser muito mais eficiente.

Estas palavras se aplicam ao que está em andamento no país Brasil, mas com a mesma força se aplicam também aos casos particulares que todos e cada um de nós experimentamos.

Tudo que eclipsa a alegria, substância essencial de uma vida justa, tende a desaparecer, seja pela mão efetiva do humano, que anda distorcida e corrompida, ou pela mão dos mistérios da própria vida, que destrói o imperfeito em nome de sua verdadeira essência.