Inteligência retorcida

Inteligência retorcida

Oscar Quiroga

06 de outubro de 2013 | 05h34

 

Às 5h34 de domingo 6-10-13 a Lua que começa a crescer ingressou em Escorpião e está em trígono com Netuno, conjunção com Mercúrio, sextil com Plutão e conjunção com Saturno até 0h08 de segunda-feira 7-10-13, horário de Brasília. No mesmo período, Mercúrio e Plutão em sextil.

Esse pseudo provérbio que todos conhecem… o de que a repetição sistemática de uma mentira a tornaria verdade, pois é! Assim acontecem as neuroses de nossa humanidade, esses comportamentos inteligentemente retorcidos para nunca se confrontar com a verdade conhecida, mas ficar com a mentira conveniente.

Assim sofre nossa humanidade e faz sofrer também! Só se engana quem quer, e porque quer repete constantemente o argumento simulador para fingir tanto que, afinal, a alma perde o fio da meada e se convence de a mentira ser verdade.

Pois bem, a alma pode até perder o fio da meada, mas o fio da meada não perde a alma, e em algum momento surgirá, em princípio por meio de pistas, e no final na porrada mesmo, para que a verdade libertadora venha a fazer seu trabalho inexorável.

Nossa humanidade se libertará, mas isso não acontecerá porque de uma nave alienígena descerão anjos e mestres, mas porque nossa humanidade destruirá a ilusão que ela mesma provocou para se encantar.

Cada um de nós fará a parte que lhe toca, enfrentará o quinhão neurótico que inventamos para nos circunscrever a um espaço-tempo muito aquém do que merecemos.

Por mais complexa e bem montada que tenha sido a trama do autoengano, a libertação acontecerá, porque a vontade de libertar-se é uma graça, e a trama do autoengano uma desgraça.

Tudo leva a isso, mas dar o passo para destruir o encantamento é algo que só acontece quando se dá esse passo, e valha a redundância e a obviedade da afirmação! Há coisas óbvias que precisam ser ditas, pois o processo do encantamento do autoengano finge que o óbvio é redundante e que não precisa ser afirmado, e nesse caminho reforça o encantamento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: