Entre a razão e a brutalidade

Oscar Quiroga

25 de janeiro de 2012 | 22h30

Das 22h30 de quarta-feira 25-1-12 até 2h54 de sexta-feira 27-1-12, horário de verão de Brasília, a Lua que cresce em Peixes está em conjunção com Vênus e oposição a Marte.

Entre a racionalidade e a brutalidade caminha nossa humanidade por este planeta belo e assustado, mais propensa atualmente a ser bruta do que racional.

Tudo, porém, está dentro do Plano, o excesso de brutalidade sempre serviu e continua servindo para nossa humanidade evocar respostas sábias e amorosas do fundo do coração.

Por isso, em vez de ceder à tentação de responder provocações brutas com uma brutalidade maior ainda, detenha tudo por um instante, respire fundo e tolere, tolere infinitamente mais do que normalmente você toleraria.

Só nossa humanidade é capaz de conter a si mesma, por isso a brutalidade é pecaminosa, porque não é natural, a brutalidade é decidida.

Nós humanos, temos plena capacidade de conter até o que deveria ser automático, como a respiração, por exemplo. Só nós humanos podemos regular consciente e intencionalmente a respiração, cuja função devia ser meramente automática.

Só isso deve dar a você uma pista da dimensão em que existimos e da capacidade de não apenas frear a brutalidade, mas também de transfigurá-la, isto é, transformá-la em tal medida que não reste nenhum traço dessa.

Parece utopia? De acordo com a normalidade parece! Porém, está escrito com a mão de ferro do destino que chegaremos lá e que todos enxergaremos a face do Altíssimo inscrita em cada célula da realidade.

Agora, neste momento, você se verá às voltas com a parte que lhe toca nessa dinâmica, tendo de escolher entre a racionalidade e a brutalidade.

Próximo boletim será publicado às 2h54 de 27/1/12

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.