Entre a bosta e o diamante

Entre a bosta e o diamante

Oscar Quiroga

14 de agosto de 2013 | 22h05

 

Às 22h05 de quarta-feira 14-8-13 a Lua quarto crescente ingressou em Sagitário e está em quadratura com Netuno e trígono com Urano, Mercúrio e Sol até 14h33 de sexta-feira 16-8-13, horário de Brasília. No mesmo período, Mercúrio em trígono com Urano, Vênus ingressa em Libra.

Sua mente oscila entre uma elevada autoavaliação e outra, de abissal inferiorização. Sua mente prefere sentir-se nos píncaros da glória, mas não raramente se envolve com sentimentos abjetos, desejos sórdidos e vontades de duvidosa reputação, sendo muito consciente disso e, por isso, acaba consolidando uma autoavaliação nada boa.

Entre a bosta e o diamante, assim caminha nossa humanidade. Alguns acabam se familiarizando tanto com a bosta que acabam por assumir-se nessa condição, fazendo dela seus refúgios e, evidentemente, passando a considerar que o próprio diamante seria uma bosta também. Temos aí a legião de criticadores, sempre dispostos a diminuir, até com argumentos bastante inteligentes, o esforço alheio de elevação.

Temos também, porém, aqueles que se identificam com o diamante e nele buscam abrigo, enxergando a si mesmos como os mais elevados seres entre o céu e a terra, o exemplo de sucesso, eles dizem: fracasso? Não existe! Só há uma distorção temporária das condições!, mas eles e elas guardam lá no fundo a memória de uma autoavaliação nada boa e, por isso, tratam os que na bosta encontram refúgio e identidade com distanciamento supersticioso, evitam suas companhias ou mesmo pensar neles, já que a proximidade poderia contaminar a sorte que supõem lhes ser predestinadas.

Enquanto isso, a substância cósmica inteligente é a mesma para a bosta e para o diamante, para o ouro e para o chumbo, e só quem conhece a transcendência de sua origem e fim sabe a verdade e, por sabê-la, é bosta quando precisa fertilizar a terra e é diamante quando necessita, com precisão e beleza, tomar decisões duras que de outra maneira seriam impensáveis. E isso sem apego a nenhuma identidade.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.