Do ideal ao possível

Do ideal ao possível

Oscar Quiroga

12 de dezembro de 2013 | 18h41

 

Às 18h41 de quinta-feira 12-12-13 a Lua que cresce ingressou em Touro e está em sextil com Netuno, trígono com Plutão e sextil com Júpiter até 5h52 de sábado 14-12-13, horário de verão de Brasília. No mesmo período, Júpiter e Saturno estão em trígono.

Agora é quando o ideal precisa se adequar ao possível, o momento em que a alma se sente comprimida por um tipo de realidade que não lhe dá espaço suficiente para continuar avançando.

Agora é quando parece que a vida aqui na Terra seja um inferno, um lugar de expiação de pecados, um lugar de sofrimento, a dimensão onde heróis e heroínas são derrotados e morrem.

Assim mesmo é nosso nascimento, choramos de imediato ao constatar a prisão em que nos metemos, verificando o espaço exíguo que restou para nossa alma infinita.

É sinal de sabedoria aceitar as limitações, pois insurgir-se constante e indiscriminadamente contra essas só as fortaleceria.

Agora é quando se torna necessário aceitá-las, adequando-se ao que é possível fazer, aguardando pela próxima oportunidade de ser maior do que as circunstâncias.

Este é o momento em que a alma se apequena, porém, viver esta experiência como se fosse durar para sempre seria uma tolice, pois passa, já passou outras vezes e continuará passando.

Logo mais virá outro momento, em que a alma demonstrará que é maior do que as circunstâncias.

Um ser humano é, de vez em quando, as circunstâncias que o rodeiam, mas eternamente é maior do que essas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: