Diante da urgência, faça tudo devagar

Diante da urgência, faça tudo devagar

Oscar Quiroga

20 de julho de 2013 | 15h40

 

Às 15h40 de sábado 20-7-13 a Lua que cresce ingressou em Capricórnio e está em oposição a Marte e Júpiter, conjunção com Plutão, quadratura com Urano e oposição a Mercúrio até 12h54 de domingo 21-7-13, horário de Brasília. No mesmo período, Marte em trígono com Netuno e Saturno.

Muita calma nessa hora!

Apesar da urgência que se manifesta interiormente não seria possível recuperar todo o tempo que foi perdido em banalidades e pagando contas fúteis.

Apesar da urgência e, talvez por essa, melhor fazer tudo devagar.

“Veste-me devagar, que estou com pressa!”, dizia Napoleão ao seu mordomo.

É o caso de fazermos o mesmo, cientes da urgência interior que declara a consciência de sabermos que perdemos um montão de tempo, e que a vida vai passando, nos tornamos adultos, mas ainda estamos muito longe de fazer o que verdadeiramente deveríamos fazer, enfim, apesar dessa adversidade declarada e produzida por nossa própria indolência, mesmo assim não seria propício acelerarmos nada, pois isso só provocaria colapsos e discórdias que, na prática, só aprofundariam nossa estagnação.

Melhor fazer tudo devagar, mas com eficiência, conscientes de que não podemos continuar vivendo do jeito que vivemos, como se pudéssemos protelar indefinidamente o que de mais importante precisamos fazer.

Afinal, ninguém nasceu aqui para passar uma longa sequência de dias comendo, bebendo, fazendo sexo, trocando de carro, cuidando de filhos e toda essa longa lista de normalidades que fazem a delícia e tormento das pessoas consideradas decentes.

Muita calma nessa hora!

A lucidez com que se enxerga essa normalidade provoca uma fúria que esteve contida por tempo demais, porém, a fúria não vai solucionar nada.

Mantendo a cabeça no lugar e com a lucidez que a vocação interior fornecer, cada ser humano precisa se abrir passagem no meio das dificuldades que criou para si e, considerando um tempo mínimo de 3 anos, se dirigir com firmeza na direção de uma vida mais digna, mais intensa, menos normal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.