Deveres e Prazeres não são opostos

Oscar Quiroga

16 de março de 2012 | 04h12

Das 4h12 de sexta-feira 16-3-12 até 10h02 de sábado 17-3-12, horário de Brasília, a Lua que míngua em Capricórnio está em sextil com Sol e quadratura com Saturno.

Parece legítimo elevar queixas pelas dificuldades da vida, pois certamente o panorama é complexo e diversificado nos afazeres que se devem assumir, muitos desses a contragosto.

Porém, essa legitimidade se torna nula imediatamente quando se constata que o tempo das queixas aparentemente legítimas toma o necessário tempo para dar conta dessas.

Por trás das queixas há um desejo que as alimenta, o de fugir dessa situação e aparecer em outra imaginária (certamente, pois não é a que acontece).

Por isso, todo aquele que passa bastante tempo se queixando das dificuldades, na verdade está apregoando que não as administra e que, pelo contrário, usa o tempo em outras questões tangenciais, fugindo do que deve fazer.

O senso do dever não é contrário ao senso do prazer, mas nossa humanidade não está bem convencida disso, ainda insiste em colocar os dois sensos em margens contrárias e excludentes. Pois não são!

O senso do dever e o senso do prazer andam juntos, tudo se resolve na necessidade, a verdadeira mãe de todos os destinos.

Se você conseguir fazer uma escala de prioridades sincera, honesta e inteligente, desenhando-a sobre a lei da necessidade que rege todos os destinos, saberá então também desenhar o calendário que inclui todas as tarefas, as do dever e as do prazer também.

Enquanto não fizer isso, continuará você com a alma convencida de que todo dever lhe tira o tempo do prazer e, também, que seria melhor permanecer sempre na indolência dos prazeres, fugindo ao máximo de todos os deveres. Uma vida assim, francamente, é uma vida perdida.

Próximo boletim será publicado às 10h02 de 17/3/12

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: