Detendo a repetição

Detendo a repetição

Oscar Quiroga

05 de maio de 2013 | 22h04

Às 22h04 de domingo 5-5-13 a Lua que míngua ingressou em Áries e está em conjunção com Urano até 17h57 de segunda-feira 6-5-13, horário de Brasília.

Só a ação perfeita desintegra o ciclo de repetições que você não prefere, mas que contempla a si na impotência de apenas testemunhar a repetição enquanto se lamenta por essa.

Só a ação perfeita! E antes de permitir que esse pensamento sorrateiro de que a perfeição seja impossível se apossar de sua mente, afirme que a perfeição é possível, ainda que momentaneamente, o que já está de muito bom tamanho.

Perfeição é desejável, ainda que terapeuticamente desaconselhável, para que você não exista se inferiorizando por não ser capaz de conquistá-la. Não há incongruência entre aspirar à perfeição e não ser capaz de obtê-la.

O que importa é você conquistar os momentos perfeitos, mediante os quais você se mune da autoridade de mandar sobre sua própria vida e, sem precisar mostrar nada a ninguém nem tampouco manifestar agressividade, deter a voragem dessa repetição que suga a vitalidade e consome a juventude do coração.

Repetir-se é deixar de viver, renovar-se é uma decisão íntima, uma decisão perfeita.

Pode não ser do tamanho do que você precisaria para desintegrar de imediato todas as adversidades, mas a perfeição, assim como o Divino, é um destino ao qual nos aproximamos eternamente, sem que essa eternidade e constante aproximação sejam angustiantes, são, pelo contrário, plenas de regozijo.

Administre tudo com atenção e com plena vontade de colocar ordem nesse panorama que antes era tomado pelo desânimo e a desolação, administre tudo com eficiência!

Essa atitude não recebe nunca fogos de artifício nem tampouco aplausos, mas é a única que conduz a alma para fora dos problemas que a limitam na direção de tomar as rédeas sobre o próprio destino.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.