De abusos e outras coisinhas

De abusos e outras coisinhas

Oscar Quiroga

31 de março de 2013 | 00h14

Às 0h14 de domingo 31-3-13 a Lua que míngua ingressou em Sagitário e está em quadratura com Netuno e trígono com Urano até 14h41, horário de Brasília. No mesmo período, Vênus e Plutão em quadratura.

E os ânimos continuam fora do prumo habitual, de contenção e comedimento; talvez isso seja assim pelo acumulo de desaforos que nossa humanidade andou engolindo nos últimos anos à velocidade e frequência muito superiores ao habitual.

Um dia o ser humano explode e quando isso acontece parece que só há loucos à solta, abusando de tudo quanto é gente. Porém, esses seres humanos que ficam violentos momentaneamente são os mesmos que foram violentados durante muito tempo, sem direito à resposta.

Tudo que nossa humanidade engoliu a seco, todos os sapos, todos os desaforos, todos os abusos, tudo isso representa o Inferno, aquilo que jaz sob o radar da consciência à espera do momento certo (que é agora) para se revelar e, tal qual fez Hades, sequestrar alguma porção de inocência que ainda restar entre o céu e a terra.

Aos que carregam as marcas do abuso podemos tratar com misericórdia, mas suas experiências não legitimam que cometam abusos também. Cada alma deve tentar encontrar uma forma pacífica de digerir suas próprias experiências, encontrando-lhes sentido e significado em vez de passá-las para frente.

Enfim, o clima não está nada pacífico, há aspectos obscuros e sinistros da alma humana com força total de manifestação e, como sempre, nossa humanidade a imaginar que isso seja coisa dos “outros”, dos misteriosos “outros” que não têm nome nem rosto, os fantasmas que, dia mais, dia menos, descobrimos ser nós mesmos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: