Chutando o balde

Chutando o balde

Oscar Quiroga

16 de abril de 2013 | 19h12

Das 19h12 de terça-feira 16-4-13 até 9h32 de quinta-feira 18-4-13, horário de Brasília, a Lua de Câncer atinge sua fase quarto crescente em quadratura com Marte. No mesmo período, Sol e Marte em conjunção.

A mente humana é hesitante, pois tem de se haver com linhas incongruentes de raciocínio, todas intensificadas por emoções que, juntas na mesma mente, produzem desencontro.

Chega um momento, porém, em que o pensador interior que usa esse órgão de percepção que chamamos mente, se cansa e chuta o balde.

Quem olha isso com distanciamento acha que nada deveria acontecer assim, que todas as pessoas deveriam ser serenas o suficiente para agir com prudência.

A vida não é assim, até Jesus foi tomado de ataque de fúria diante dos cambistas no templo, e nossa humanidade, que não é nem a sombra dessa elevação, perde a compostura diante de acontecimentos menos representativos, mas que são seus acontecimentos, aqueles que e mente humana decide tornar representativos de sua vida oprimida.

Chutar o balde em nome de se livrar da opressão pode não ser um ato perfeito, nem esteticamente agradável, mas é um sinal de que o pensador interior está aí, renovando sua disposição para se distanciar da futilidade e se dedicar a Viver com maiúscula.

O vigor se renova porque apesar de a maior parte do tempo nossa humanidade se resignar contra o que ela pensa ser insuperável, em momentos como o atual ela atualiza a consciência de que resignar-se à opressão não é digno de sua alma.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: