Atabalhoamento

Atabalhoamento

Oscar Quiroga

25 de dezembro de 2012 | 05h14

Às 5h14 de terça-feira 25-12-12 a Lua que cresce ingressou em Gêmeos e está em quadratura com Netuno, sextil com Urano e conjunção com Júpiter até 22h18, horário de verão de Brasília.

O que era para ser uma série infindável de encontros pode facilmente se converter num labirinto de desencontros durante este período.

Na melhor das hipóteses, e para os bem-humorados, esse panorama pode ser motivo de dar boas risadas. Nossa humanidade é capaz de rir de si mesma, porque também é capaz de testemunhar e verificar seu atabalhoamento, seu arrastar de pés enquanto a vida circula como uma Ferrari em autoestrada alemã.

Contudo, nem toda nossa humanidade é tão bem-humorada, há inúmeras pessoas que levam muito a sério o atabalhoamento e não admitem ver a si mesmas nesse lugar real, que no conceito delas é preciso maquiar, fingir que não existe.

Aí o bom humor e as risadas se transformam em severidade e as discussões aumentam de tom e intensidade.

Muitos pensarão com seus botões que teriam merecido presentes melhores, ou que a comida servida não está lá essas coisas e no ruminar de suas críticas emitirão péssimas vibrações, atabalhoando ainda mais o panorama. Outros muitos gostariam de estar em qualquer outro lugar que não fosse o das reuniões familiares, que colocam na mesma mesa humanos que se odeiam, invejam, mulheres que cobiçam os homens das outras, homens que cobiçam as mulheres alheias.

Enquanto isso, o espírito testemunha tudo, é o poder que vê, alheio a tudo isso, não dá risada porque está além, porém, da risada cristalina aprecia a leveza, a espirituosidade.

Como se diz por aí, rir é o melhor remédio.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.