Apropriar-se da Vida

Apropriar-se da Vida

Oscar Quiroga

10 de julho de 2013 | 08h44

 

Das 8h44 de quarta-feira 10-7-13 até 16h56 de quinta-feira 11-7-13, horário de Brasília, a Lua que cresce em Leão está em conjunção com Vênus e sextil com Marte.

E agora… sentir a Vida fluindo através da presença, sentir que essa Vida flui com pleno significado para a própria presença, identificar-se com a Vida, fazê-la própria, apropriar-se dela, sentir que apesar de essa apropriação ser questionável, mesmo assim seguir em frente, sentir que se precisa compensar o instante de densas nuvens que parecia eterno e que, agora, com vitalidade renovada, recarregando força, apropriar-se de um pouco da infinita Vida seria legítimo.

Nunca saberemos se é legítimo ou não, porém, mesmo assim o faremos.

É privilégio (?) humano fazer o que é proibido?

Com certeza! Só entidades cujas mentes são capazes de questionar a realidade podem optar entre acompanhar o fluxo da Lei ou se rebelar contra essa.

Se isso é bom? Está além de ser bom ou ruim, pois é o que é, esse privilégio de duvidosa reputação está no âmago de nossas estruturas.

Isso nos atormenta, isso nos regozija, isso nos leva a, mesmo sabendo que a Vida não pode ser apropriada, porque está muito além, ainda assim queremos confinar um pouquinho dela para mantê-la de reserva para vindouros momentos em que não nos sintamos com essa bola toda.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.