A retidão

A retidão

Oscar Quiroga

30 de agosto de 2013 | 08h44

 

Às 8h44 de sexta-feira 30-8-13 a Lua que míngua ingressou em Câncer e está em trígono com Netuno e Saturno, e oposição a Plutão até 2h58 de sábado 31-8-13, horário de Brasília. No mesmo período, Mercúrio e Júpiter em sextil.

A boa disposição de seguir pelo caminho proposto pela razão, pela virtude, sustentando o tempo inteiro princípios de solidariedade, de colaboração mutua, de respeito aos semelhantes; essa virtude parece estar em falta porque a maioria barulhenta a despreza, e quando eventualmente surge e se manifesta, logo a criticam argumentando que seria só aparência, que por trás de atitudes virtuosas sempre haveria interesses escusos.

A retidão não é uma virtude popular, mas as pessoas que a ela se agarram e praticam reconhecem seus benefícios, apesar dos pesares.

A integridade, a lisura, o julgamento sensatos do acontecimentos, tudo isso está sempre disponível, são atitudes mentais e práticas que demonstram respeito e interesse em que o mundo seja um lugar melhor para a maior quantidade possível de pessoas.

A esta altura do texto já haverá gente afirmando de pés juntos que isso não passa de uma utopia, mas como bem diria a canção de John Lennon: “… I am not the only one…”

Não, as pessoas que trilham o caminho da retidão não estão sozinhas, uma força inquebrantável as protege e se demonstra quando isso for necessário e só então.

Para quem já se corrompeu isso não passa de balela, mas para quem anda pelo caminho da retidão isso é uma certeza comprovada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: