A racionalidade

Oscar Quiroga

27 de março de 2012 | 07h44

Às 7h44 de terça-feira 27-3-12 a Lua que cresce ingressou em Gêmeos e está em quadratura com Netuno e Marte até 19h04, horário de Brasília.

A racionalidade é um dos tantos instrumentos disponíveis para nossa humanidade perceber, conhecer e intervir na realidade, mas do jeito que a civilização ocidental trata a racionalidade ela virou uma fantasia, talvez uma das maiores que assola a civilização nossa, que se gaba de moderna e sofisticada.

A racionalidade, do jeito que é usada no Ocidente, idiossincrasia que foi exportada sistematicamente, tenta se convencer de ser capaz de se distanciar da realidade e poder assim observá-la de forma independente e objetiva. Porém, a mente racional está sempre apegada a alguma idéia, a alguma teoria, a uma intenção oculta, e esse apego contradiz radicalmente o distanciamento, revela uma paixão recalcada.

A mente humana é eminentemente passional, dedicada aos gostos e desgostos, à formulação de pensamentos sempre apegados a essa dialética, que não poderia nunca se chamar de racional, mas de fundamento emocional.

Sobre esse fundamento estritamente emocional e passional a racionalidade constrói intrincadas formulações mentais e aí sim, se distancia de sua própria passionalidade, a negando, renegando e recalcando, de onde se explica a irritação que as manifestações emocionais provocam nas pessoas que se autointitulam racionais. Essas manifestações colocam em perigo o edifício de suposta racionalidade meticulosamente construído.

Enfim, estas breves, mas precisas explicações anteriores têm por objetivo situar você neste momento astrológico, em que a mais pura e simples arquitetura passional subverte e boicota o edifício racional.

As manifestações de tal encontro, que é na verdade um desencontro, podem tomar as mais variadas formas, porém, no âmago a questão é uma só; qualquer coisa, qualquer detalhe pode desmontar a racionalidade, porque do jeito que é tratada atualmente não passa de uma fantasia.

Próximo boletim será publicado às 19h04 de 27/3/12

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.