A insanidade e o Divino

Oscar Quiroga

10 de fevereiro de 2012 | 17h55

Às 17h55 de sexta-feira 10-2-12 a Lua que míngua ingressou em Libra e estará em oposição a Urano e Vênus, tanto quanto quadratura a Plutão até 8h23 de sábado 11-2-12, horário de verão de Brasília.

Há uma boa porção de pessoas que circula por aí à solta, mas que está tomada pela insanidade. É uma pena constatar e fazer essa afirmação, mas em nome da profilaxia e eventual conserto desse panorama, é melhor aceitar a realidade.

A insanidade consiste em se ter perdido o pudor da transgressão e o que antes era meramente eventual passou a se tornar a nota dominante dos relacionamentos humanos.
Transgressões graves, traições profundas, subversão de valores e destruição de princípios sem os quais nossa humanidade não merece mais ser chamada de humana, tudo isso se tornou a nota dominante. Onde vamos parar? Bradam os mais velhinhos! Porém, nem os velhinhos se salvam dessa história que se alastra que nem peste na Idade Média, essa é uma condição que não respeita idade nem condição social, quem põe o pé nesse caminho acaba sendo tomado pela insanidade e ponto final, independente de ser adolescente, adulto ou de terceira idade.

Porém, com a mesma força que a insanidade se alastra nos relacionamentos humanos também cresce a percepção do divino permeando toda a realidade. Ensinamentos perversos que deturpam a realidade e a prática de crueldades que nem na época do nazismo foi cogitada criam o terreno fértil para a intervenção divina, e essa acontece também.

Por isso, um momento como este combina situações muito paradoxais, que andam em margens opostas, mas que podem acontecer dentro da mesma sala.
E vai tentar você ir dormir com um barulho desses na sala!

Próximo boletim será publicado às 8h23 de 11/2/12

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: