A inevitabilidade do conhecimento

A inevitabilidade do conhecimento

Oscar Quiroga

06 Fevereiro 2013 | 15h56

Às 15h56 de quarta-feira 6-2-13 a Lua que míngua ingressou em Capricórnio e está em sextil com Mercúrio, Netuno, Marte e quadratura com Urano até 1h37 de quinta-feira 7-2-13, horário de verão de Brasília. No mesmo período, Mercúrio e Netuno estão em conjunção.

Mesmo que você, por ser humano, não exerça intencionalmente a profissão que é inerente a sua humanidade, que consiste em investigar a verdade, a beleza e a bondade, essa profissão se exercerá através de sua consciência pelo próprio impulso de tudo que é inerente a qualquer natureza.

Na prática, isso significa que ainda que você resista a aceitar algumas verdades, através do tempo e das experiências e, principalmente, através das surpresas com que o misterioso destino brinda, alguma ficha acaba caindo e, depois desse evento, se torna impossível continuar vivendo como se nada tivesse acontecido.

Saber mais é inevitável, além de natural e bom, pois dá muito mais trabalho e provoca sofrimento fazer força para tentar evitar o conhecimento.

Os equipamentos físico e metafísico de nossa humanidade são preparados para conhecer e, além disso, o exercício da liberdade permite intervir nos acontecimentos e, como efeito da própria vontade, cooperar ou não com o movimento complexo da Vida.

Neste momento, a Vida, com seus mistérios, brinda com esses toques que, aos olhos atentos, fornecem informações muito importantes, as quais, bem aproveitadas, podem mudar a vida para sempre e para melhor.