A educação

A educação

Oscar Quiroga

20 de setembro de 2012 | 13h35

Às 13h35 de quinta-feira 20-9-12 a Lua que cresce ingressou em Sagitário e está em quadratura com Netuno e trígono com Urano até 1h06 de sexta-feira 21-9-12, horário de Brasília. No mesmo período, Mercúrio está em oposição a Urano e quadratura com Plutão.

Francamente, o Wikileaks pode não passar do esforço doentio de um personagem australiano para se promover e experimentar o orgástico frenesi de fazer sofrer os poderosos. Isso se enxergarmos o acontecimento do pior ponto de vista possível. Porém, nunca se sabe o que há nos labirintos da mente humana.

Do ponto de vista representativo, ou seja, do que a existência do Wikileaks tem a dizer como representação da realidade, é notório observar que a exposição das sagradas informações que serviam e ainda servem para sustentar o lado nada democrático das grandes democracias, o lado obscuro da realidade, vieram a confirmar o que sempre suspeitamos e soubemos, mas não tínhamos como provar.

Vemos com alegria que o que nos fazia compreender a realidade estava muito mais escrito nos gibis e histórias de espiões do que nos livros de história que tanto nos fizeram sofrer na escola.

A revelação, portanto, sempre foi informal, enquanto a formalidade nos castigou com a obrigação de engolir indiscriminadamente tudo que nos passavam na escola.

Nada mudou, por enquanto, mas o que o Wikileaks representa na atualidade é o que no futuro serão as escolas, que terão de se submeter ao fato gritante de que a realidade passa distante dos livros oficiais, sendo ela mais bem descrita em outros meios, que divertem a criançada e fazem brilhar de admiração os jovens.

Letras de músicas, histórias fantásticas, mitos e lendas modernas; enquanto o sistema educacional não souber aproveitar o que a informalidade transmite não conseguirá tampouco afirmar com veemência que prepara os jovens para a realidade do futuro, apenas continuará preparando os futuros mentirosos e neuróticos que continuarão sustentando a farsa em que se transformou nosso mundo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.