A comilança

A comilança

Oscar Quiroga

23 de dezembro de 2012 | 10h35

Das 10h35 de domingo 23-12-12 até 3h59 de terça-feira 25-12-12, horário de verão de Brasília, a Lua que cresce em Touro está em trígono com Marte.

E não é que a SINCRONIA entre o movimento estelar e a festividade aqui na Terra aponta na direção do que é tradicional? Promete uma comilança!

Não será tanto quanto o filme “A comilança”, que é a história de homens bem-sucedidos que se reúnem num castelo para comer até morrer, mas a metáfora do filme servirá para os convivas da noite de Natal, destinada muito mais ao prazer sensual da comida do que à elevação do espírito em nome do aniversariante.

Comer demais é prejudicial à saúde, todo mundo sabe disso, mas quem se importa com uma mesa dessas posta com tanto requinte e sensualidade?

Sofisticados temperos, bebidas deliciosas, sobremesas substanciosas, quem poderia se abster de tamanha opulência? Só os sábios, só os que conhecem a interminável sequência de concatenações, verificando que tudo é interligado e interdependente, a pequena atitude que se toma hoje não se circunscreve a hoje, é mais um elo da eterna corrente de vida, que tudo registra no corpo físico, nas emoções e na modalidade de pensamentos.

Porém, quem se importa com isso num momento como esse e diante de uma mesa farta? Inclusive porque seria uma falta de respeito aos anfitriões recusar a comida ou a bebida.

Pois é, talvez seja impossível dessa vez, mas seria sábio começar a praticar comedimento todos os dias, essa seria uma atitude realmente sustentável, já que se fala tanto nisso.

Não quero estragar a festa de ninguém, sou a favor de todas as celebrações que produzam alegria e elevação. Enquanto a comida for ingerida, haverá prazer e celebração; no dia seguinte, porém, o ventre trabalhará demais para digerir tudo que nele foi depositado.

Um pouco menos, só um pouco menos já seria um pouco mais de leveza no dia seguinte.

Que tal experimentar?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.