A beleza e a brutalidade

Oscar Quiroga

24 de fevereiro de 2012 | 18h31

Das 18h31 de sexta-feira 24-2-12 até 17h de sábado 25-2-12, horário de verão de Brasília, a Lua que começou a crescer em Áries está em conjunção com Vênus.

E da feiura que nossa humanidade é capaz de produzir, ou talvez no meio dela, belas obras também surgem, como flores teimosas que exalam aromas encantadores no meio dos lixões.

Essa alternância de brutalidade e aspectos sublimes seja, talvez, a melhor forma de descrever nossa humanidade, se por acaso um alienígena nos pedisse para explicar nossa natureza.

Certamente, nos é mais consciente a brutalidade e temos sempre na ponta da língua mais queixas contra nossa humanidade do que elogios, mas se puséssemos a mão no coração perceberíamos que estaríamos cometendo uma severa injustiça contra todos aqueles humanos que com tanto afinco e genialidade fizeram a diferença e criaram com seus próprios esforços obras que até hoje reverberam no cosmo infinito e provam que, sim, somos capazes de obrar aspectos sublimes que sem nossa presença continuariam ocultos em seus estados potenciais.

Ainda que seja uma só flor que exale aroma encantador e que sua forma seja de arrebatadora beleza no meio de um deserto ou de um lixão, assim mesmo valerá a pena suportar toda a desgraça, porque sinalizará a esperança do sublime. E que seríamos nós, humanos, sem a esperança?

Faça sua parte agora e produza um pouco de beleza durante este auspicioso período.

Próximo boletim será publicado às 17h de 25-2-12

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: