A beleza disponível

Oscar Quiroga

13 de agosto de 2011 | 00h57

 

13-8-11 – sábado – Das 0h57 até 15h58, horário de Brasília, a Lua Cheia de Aquário está em oposição a Vênus.

 

A feiúra da decadência de nossa civilização, outrora adornada com fausto e opulência, não se compara com a beleza disponível aos sentidos objetivos e subjetivos; quem quiser contemplá-la terá chances de sobra para fazê-lo.

Sem nada imaginar, apenas usando os sentidos físicos, há beleza suficiente para regalar esses sentidos.

Mas para quem dispensa a percepção física e quer usar a imaginação, mais beleza ainda se encontra disponível, é só saber conduzir os pensamentos com mestria e firmar a mente na luz do coração, que é eterna, sem idade, onisciente e onipresente.

Contemplar essa luz é um ato impessoal, de tempos imemoriais isso é feito porque o próprio Ser em que todos vivemos e experimentamos ser o faz o tempo inteiro, mudando ao longo das épocas de nome, cor de pele, endereço e formalidade aparente. Todos nós, seres humanos somos, afinal, produto de sua meditação inefável.

Busque a beleza e a beleza buscará você, o encontro é inevitável e o regozijo que decorre dessa experiência afirma a suspeita de haver um plano inteligente em andamento.

Afinal, essa beleza toda não poderia ser produto de mera casualidade.

 

Próximo boletim será publicado às 15h58 de 13/8/11

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.