Por que a Mona Lisa sorri?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Por que a Mona Lisa sorri?

Sheila Leirner

02 de maio de 2019 | 14h48

A Mona Lisa não tem a expressão de quem descobriu a pólvora e também, certamente, não é mais bela obra de Leonardo da Vinci que se encontra no museu do Louvre. No entanto, ninguém sabe até hoje por qual motivo a sua sala fica sempre tão cheia de gente que é quase impossível chegar perto dela. Assim como, neste 2 de maio, há exatamente 500 anos da morte do seu autor, ainda não se sabe ao certo o que significa o seu sorriso.

“A Gioconda me fascina. Não por sua beleza, mas pela sua estupidez. Deveríamos inventar um verbo para designar a imbecilidade satisfeita deste rosto. O verbo ‘giocondar’!
Henri Troyat (1911-2007)

A data histórica de hoje conseguiu reunir até mesmo presidentes um pouco estremecidos entre si como Sergio Mattarella, da Itália, e Emmanuel Macron, da França. Esta manhã, dia 2 às 11h30, eles se encontraram no Castelo de Amboise (Leonardo está enterrado lá, na capela Saint-Hubert) depois foram ao Clos Lucé, onde almoçaram e a Chambord onde participaram de várias festividades com personalidades da arte, arquitetura e ciência.

Os dois presidentes colocam flores sobre o túmulo de Leonardo da Vinci, no Castelo de Amboise, capela Saint-Hubert. Foto: Philippe Wojazer/AFP

 

Castelo renascentista de Chambord, Loir-et-Cher. A sua arquitetura, influenciada por Leonardo, combina as formas medievais francesas tradicionais com as estruturas clássicas italianas.

Os lugares são emblemáticos: o rei Francisco I convidou Leonardo da Vinci para visitá-lo em Amboise e emprestou-lhe o Clos Lucé, situado a 500 metros, para que o artista e homem de ciência pudesse viver e trabalhar perto dele. Leonardo chegou com apenas três pinturas embaixo do braço: a Mona Lisa, Sant’Ana, São João Batista e ficou neste castelo de sonho até o final de sua vida.

Já o Castelo de Chambord, mesmo que o seu arquiteto seja desconhecido e a sua construção, encomendada por Francisco I, tenha começado no ano da morte de Leonardo, sabe-se que foi inteiramente influenciado pelo seu trabalho. A comparação com os croquis feitos por este “primeiro pintor, arquiteto e engenheiro do rei” revela que a arquitetura do magnífico castelo foi inteiramente influenciada pelo mestre franco-italiano.

Mas esta data, em vez de me inspirar algum ensaio crítico sobre o gênio, me fez pensar no enigma. Por que Mona Lisa é a estrela do Louvre? Será que é porque não se sabe por que ela sorri?

“Bella Principessa”, 1495. Pintura atribuída a Leonardo da Vinci.

 

“Retrato de uma Menina”, por Piero del Pollaiolo (1441 – 1496), pintor do Renascimento nascido em Florença.

Na sala da Gioconda, no museu do Louvre, em meio a cotoveladas, ouvi o seguinte diálogo entre dois turistas americanos:

“Você viu o sorriso dela?”

“Que sorriso? Ela não sorri!”

Será que a Mona Lisa, toda frágil e minúscula dentro de sua redoma de vidro – ela, que os guias dizem seguir o espectador com os olhos – será que ela realmente sorri?

A partir de uma tela precedente, “La Bella Principessa” (1496)  atribuída a Leonardo, pesquisadores britânicos da Sheffield Hallam University desvendaram a ilusão de ótica que faz aparecer um sorriso mais ou menos perceptível nos lábios da moça de perfil, que lembra um pouco a Gioconda. Segundo eles, ilusão semelhante encontra-se na tela que é a estrela do Louvre.

Leonardo da Vinci, gênio da Renascença, era um especialista das cores misturadas e do esfumado (sfumato), para explorar a visão periférica. Os pesquisadores descobriram que, de acordo com o ponto de vista do observador, e por uma questão de ilusão de ótica, a forma da boca da “Bella Principessa” parece mudar.

Assim, ao olharmos diretamente para a boca, ela parece iniciar um movimento descendente. Mas quando desviamos o olhar para outro lugar da tela, temos a impressão que os lábios se erguem, esboçando um sorriso. Como o sorriso aparece e desaparece, os pesquisadores nomearam esta ilusão de “uncatchable smile” (sorriso impossível de se capturar).

Ilusão de ótica

Para chegar a essa conclusão, os especialistas estudaram, tanto na “Bella Principessa” quanto na “Mona Lisa”, de que maneira os nossos diferentes pontos de vista alteram a percepção visual dos trabalhos. Confrontaram estas telas com outro retrato ainda de uma jovem, do pintor Piero del Pollaiulo (1470), e chegaram à conclusão de que apenas nas primeiras ocorre o fenômeno: quanto mais nos afastamos dos quadros, mais as mulheres parecem sorrir.

Graças às versões digitais das pinturas, os pesquisadores também descobriram que quanto mais o flou se pronuncia nas telas de Leonardo, mais o sorriso das mulheres se precisa. No quadro de Del Pollaiulo, acontece o inverso. O sorriso da jovem permanece o mesmo e tende até mesmo a desaparecer.

Último experimento: retângulos pretos foram afixados nos olhos e na boca da “Bella Principessa”. Quando a boca ficava escondida, a ilusão de ótica não funcionava mais. Quando os olhos estavam sob os retângulos, via-se um sorriso aparecer na boca da jovem.

A técnica usada para essa “ilusão” é o esfumado que produz um efeito vaporoso e dá ao objeto contornos pouco nítidos. Foi sobrepondo várias camadas extremamente finas de tinta que Leonardo da Vinci conseguiu criar sombras e relevos nestes rostos.

Esta experiência é vista com ceticismo pelos conservadores do Louvre. Não há comprovação absoluta sobre a paternidade da “Bella Principessa”. Que ela seja obra de Leonardo da Vinci, isto não convence alguns especialistas.

Teorias mais e menos loucas

Muitas teorias mais e menos sérias, algumas francamente malucas, circulam em torno da Mona Lisa. Um italiano afirmou ter descoberto em 2010, duas letras, invisíveis a olho nu, escondidas na íris de seus olhos. Um L de Leonardo na esquerda, um S na direita. O S da modelo, que provavelmente foi Bianca Giovanna Sforza, uma rica aristocrata milanesa. Um ano mais tarde, esse mesmo italiano voltou à carga retificando que o S corresponde ao nome Salai, que era amante e assistente de Leonardo. A Mona Lisa seria realmente um homem? Alguns chegaram a dizer que ela possui características do próprio Leonardo da Vinci e que, portanto, constituiria uma espécie de autorretrato.

A hipótese mais estranha de todas é a de um romancista italiano, Ângelo Paratico, que se diz historiador. Em 2014 ele afirmou que a Mona Lisa é … chinesa! Segundo ele, a mãe do mestre era uma escrava chinesa e a Mona Lisa seria o seu retrato.

A explicação mais pertinente, contudo, é a de que a Gioconda seria Lisa Gherardini, esposa de del Giocondo que teria encomendado o retrato ao gênio franco-italiano. Quanto ao motivo do misterioso e famigerado sorriso/não sorriso, admirado por milhares de visitantes todos os dias, já se falou de asma, paralisia facial, cicatriz no lábio inferior, e até mesmo de… felicidade.

Até a próxima que agora é hoje, 500 anos da morte de Leonardo da Vinci, e estou mais de acordo com a explicação encontrada pelo escritor André Malraux: “a Mona Lisa sorri porque todos aqueles que lhe desenharam bigodes estão mortos”!


O Castelo de Chambord também comemora 500 anos
(clique para sonhar)

 

MATÉRIAS RELACIONADAS

Tendências: