Os anos parisienses de Kandinsky
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os anos parisienses de Kandinsky

Sheila Leirner

25 de novembro de 2016 | 19h19

Uma exposição no Museu de Grenoble reúne mais de cem obras e vários documentos que traçam a última década, na França, do artista e poeta russo.

Pioneiro da arte abstrata na Alemanha, Vassily Kandinsky (1866-1944), faz parte das figuras mais notáveis da arte moderna. A exposição do Museu de Grenoble (até 29 de janeiro de 2017) revela os últimos onze anos de sua vida, quando criou obras ainda desconhecidas do grande público.

Vassily Kandinsky10

Aqui, as composições são povoadas de temas que evocam formas orgânicas, decorrentes do seu interesse pelas ciências e natureza. Há o sentimento de exílio, com a sua fuga do nazismo (14 de suas telas figuraram na exposição de “arte degenerada” em Munique, em 1937). E vê-se também pinturas “cósmicas” de formas livres, cores doces e harmoniosas, onde a espiritualidade do artista é mais acentuada.

Durante muito tempo esta última fase da obra do autor do tratado “O Espiritual na Arte”, foi considerada menos interessante. Chamados de “período parisiense”, os anos que se seguiram à fundação do famoso grupo do Blaue Reiter, ou da Bauhaus, têm um lugar reduzido na história da arte.

Até a próxima que agora é hoje e esta exposição de Grenoble finalmente faz justiça e restitui a importância das obras finais do grande mestre!