As 23 árvores do Natal irreverente da Tate
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

As 23 árvores do Natal irreverente da Tate

Sheila Leirner

24 Dezembro 2017 | 13h18

A história da Árvore de Natal começa há muito tempo. Já era costume dos antigos egípcios, chineses e hebreus o uso de árvores, grinaldas e guirlandas para simbolizar a vida eterna. A adoração de árvores era comum entre os pagãos europeus e sobreviveu até mesmo ao cristianismo. No Ano Novo, os escandinavos decoravam a casa e o celeiro com folhas verdes para assustar o Diabo. Durante o Natal, arrumavam uma árvore para os pássaros. Na Alemanha, colocava-se uma árvore conífera nas entradas ou dentro das casas durante as festas de inverno.

Shirazeh Houshiary, Árvore de Natal, 1993. Imagem via www.tate.org.uk.

É natural que os artistas contemporâneos repensem os símbolos e as ideias associadas a estas decorações sazonais. Há quase três décadas, portanto, que a Tate Britain, em Londres, começou a exibir as 23 árvores natalinas (fotos no álbum abaixo) concebidas por artistas para a sua magnífica rotunda.

Algumas destas reinvenções foram marcantes, a começar pela peça ecológica de Bill Woodrow, em 1988, seguida por árvores projetadas por Tim Head, Lisa Milroy, Boyd Webb, Craigie Aitchison, Shirazeh Houshiary, Cathy de Monchaux e Cornelia Parker que carregou o seu vegetal de frutas secas, com aroma de conhaque.

Em 1996, Julian Opie criou um grupo de “árvores modelo”, seguido por Michael Landy , Richard Wilson, Mat Collishaw, Catherine Yass, Yinka Shonibare, Tracey Emin e Mark Wallinger. Depois, veio a árvore de Richard Wentworth e outra inesquecível de Gary Hume, decorada com melros de chapa de aço pintados à mão.

Importantes artistas continuaram a adornar a rotunda da Tate com o seu espírito festivo. Sarah Lucas, em 2006, Fiona Banner, Bob e Roberta Smith, Tacita Dean e, finalmente, no ano passado, Giorgio Sadotti.

Este ano, a fachada inteira do museu foi decorada por Alan Kane.

Até a próxima que agora é hoje e, aos queridos amigos e leitores, os meus votos de Felizes Festas e um Novo Ano de tranquilidade, força, virtuosidade, viagem, eficiência, propulsão, regozijo, meditação, elevação, farra, descanso, diversão, paciência, harmonia, amizade, saúde, sabedoria, sucesso, aventura, coragem, intuição, criatividade, sorte, sinergia, tolerância, curiosidade, crescimento, originalidade, imersão, imaginação, prosperidade, brilho, habilidade, inspiração, sedução, movimento, ingenuidade, equidade, humildade, magnanimidade, talento, simplicidade, dedicação, carisma, generosidade, compreensão, alegria e energia – a mesma das árvores!