Homeland: nova aposta do FX estreia neste domingo

Estadão

02 de março de 2012 | 01h06

Atenção! Há informações no texto que podem ser consideradas spoilers!

Homeland, série que se tornou um sucesso nos Estados Unidos, finalmente chega ao Brasil. Ganhadora do Globo de Ouro, a trama escrita por Howard Gordon e Alex Gansa traz uma Claire Danes surpreendentemente convincente no papel de Carrie Mathison, agente da CIA determinada a revelar que um sargento da marinha americana tem ligações com células terroristas.

Claire Danes

Foto: Reprodução

Não estou dizendo que Claire Danes não é boa atriz. Pelo contrário, a mulher tem muito talento. Mas o fato é que não conseguia desassociá-la de papéis de “mocinha”, como no filme Romeu e Julieta, Adoráveis Mulheres (alguém se lembra desse filme?) ou na série My So-Called Life por exemplo. Até agora. Para reparar a injustiça, digo que Claire Danes se superou no papel de agente. Como vocês irão perceber logo no início do episódio, Carrie Mathison não é uma personagem simples. Ela é determinada, mas extremamente obcecada com o trabalho. E sua personalidade complexa causa desconfiança até entre os próprios colegas da CIA. E é neste ponto que se cria a trama. Carrie Mathison é a única pessoa nos Estados Unidos que acredita que o sargento Nicholas Brody (Damian Lewis) passou para o o time dos terroristas enquanto esteve refém por oito anos, no Iraque. Mas quem vai acreditar em uma agente causadora de problemas e, muitas vezes, chata? É aí que está a graça do show.

Morena Baccarin e Damian Lewis

Morena Baccarin e Damian Lewis. Foto: Reprodução

Do outro lado, você se depara com um homem que, depois de oito anos mantido em cativeiro no Iraque, retorna ao seu país como um herói. O sargento revê a esposa e os filhos, já crescidos, e ao mesmo tempo tenta voltar à rotina do lar, mesmo após ter assistido e sentido na pele as atrocidades da guerra. Aí você se pergunta: como um homem desse apoiaria o terrorismo depois do que passou?

A família do sargento Nicholas Brody também é afetada com a volta dele. Os filhos o consideram um estranho, e a esposa Jessica (Morena Baccarin, a sinistra Anna da série V), que reconstruiu a vida depois que o marido foi dado como morto no Iraque, agora se vê obrigada a lidar com um homem totalmente diferente de oito anos antes, com uma bagagem psicológica instável.

 

 

Culpado ou inocente? Essa é a pergunta que a série joga o tempo todo ao expectador. Delírio de uma agente ou um perigo real aos Estados Unidos? Você vai decidir a partir do dia 4 de março.

Homeland será exibido pelo canal FX aos domingos, às 22h.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.