“Nelson Cavaquinho daria um grande enredo”, admite Ivo

Estadão

02 de março de 2010 | 00h21

Os geniais compositores Cartola e Nelson Cavaquinho - Arquivo/AE

Os geniais compositores Cartola e Nelson Cavaquinho - Arquivo/AE

 

O presidente da Estação Primeira de Mangueira, Ivo Meireles, admitiu que a vida e a obra do compositor Nelson Cavaquinho pode ser perfeitamente transformada em enredo. No próximo ano, será festejado o centenário de nascimento deste brilhante sambista, autor de clássicos como “Folhas Secas”  e “A Flor e o Espinho”.

“Claro que o Nelson Cavaquinho daria um grande enredo. Ele tem uma obra maravilhosa e uma enorme identificação com nossa escola. Mas não vou falar sobre o carnaval do próximo ano”, tergiversou o presidente. No dia 13 deste mês, no Palácio do Samba, durante a tradicional feijoada da Mangueira, Ivo irá anunciar qual será o tema da verde e rosa para o Carnaval de 2011.

“Tenho três propostas. Mas não vou antecipar nenhuma delas para não esvaziar o evento. Não quero criar nenhuma especulação. Quem quiser saber qual será nosso tema em 2011 terá que comparecer no Palácio do Samba”, insistiu Meireles.

O blog foi ouvir o presidente da Mangueira depois que os internautas Eduardo, Marcos e Guilherme Cimino lembraram do centenário de Nelson Cavaquinho. O Samba de Primeira apurou que existe uma ala da diretoria que defende o autor como enredo da Mangueira no próximo ano.

Em 2008, a antiga diretoria da Mangueira ignorou o centenário de Cartola, genial compositor que fundou, deu o nome e as cores para escola mais popular do Brasil. No mesmo carnaval, patrocinada pela Prefeitura de Recife, a Mangueira resolveu falar do frevo e quase caiu para o Grupo de Acesso. 

Trajetória 
Nelson Cavaquinho nasceu no Rio de Janeiro no dia 28 de outubro de 1911 e morreu em 17 de fevereiro de 1986. O envolvimento de Nelson Cavaquinho com a música começou ainda na adolescência, influenciado pelo seu pai, considerado um grande violonista da banda da Polícia Militar.

Aos 20 anos, o poeta casou-se. Mais tarde, teve quatro filhos. Foi durante as rodas de samba  no morro da Mangueira que conheceu os imortais Cartola e Carlos Cachaça. Nelson Cavaquinho deixou mais de 400 composições gravadas e seu nome gravado para sempre na nossa Música Popular Brasileira.

Reproduzo a letra de uma das obras-primas de Nelson Cavaquinho, composta em parceria com Guilherme de Brito.

Folhas Secas
Quando eu piso em folhas secas
Caídas de uma mangueira
Penso na minha escola
E nos poetas da minha estação primeira

Não sei quantas vezes
Subi o morro cantando
Sempre o sol me queimando
E assim vou me acabando.

Quando o tempo avisar
Que não posso mais cantar
Sei que vou sentir saudade
Ao lado do meu violão
Da minha mocidade

Tendências: