Kassab, cadê a Cidade do Samba?

Estadão

27 de julho de 2010 | 20h03

Há mais de três anos que o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), prometeu construir a versão paulista da Cidade do Samba, batizada de Fábrica dos Sonhos. A ideia era erguer, próximo ao Playcenter, zona oeste, um complexo onde as agremiações pudessem desenvolver seus espetáculos. O projeto previa a construção de barracões, ateliês, banheiros, museus e espaço para shows musicais, como já acontece no Rio de Janeiro desde 2005.

Em tempo: no Rio, a Cidade do Samba se tornou ponto turístico da cidade, que além de proporcionar aos sambistas um local digno para fazer esse espetáculo grandioso chamado carnaval, ainda se tornou um centro de memória. O local ainda dá outra contribuição histórica: está ajudando a revitalizar a área portuária carioca, um dos cartões postais mais bonitos do Mundo.  

Só que, em São Paulo, o projeto nunca saiu do papel. Me lembro, ainda trabalhando pelo jornal Diário de São Paulo, do prefeito Gilberto Kassab reunindo a imprensa e também os sambistas em seu gabinete para apresentar uma maquete do projeto. Foi uma festa só. Vi sambista chorando com a novidade. Era ano de eleição. “Vai ser um divisor de águas para o nosso carnaval. Deixaremos de fazer nossos espetáculos em locais inadequados, como debaixo de viadutos, por exemplo”, dizia um deles.

Passados alguns anos, o prefeito veio a público alegando o atraso porque o terreno onde pretendia construir a Fábrica dos Sonhos estava na mesma área onde funcionam dois clubes. A partir daí, houve até um briga judicial. Só que no início deste ano, um dirigente do alto escalão da administração do governo do DEM garantiu que a situação estava contornada e que os primeiros tijolos da Fábrica dos Sonhos seriam erguidos ainda no primeiro semestre deste ano. Já estamos em agosto! 

Após fazer uma reportagem hoje quando retornava para o prédio do Estadão, ao passar pela área onde tanto prometeram erguer nossa Cidade do Samba,  lembrei-me novamente das vazias promessas do poder público. Uma pena ver tudo aquilo abandonado.

Por sua história e pela grande contribuição para cultura de São Paulo, os sambistas da terra da garoa não mereciam esse descaso. O pior é que durante as noites de desfile, o que a gente mais vê no Anhembi são algumas autoridades tentando tirar proveito político com a população e a comunidade do Samba.  

Férias – Sinceros e amigos internautas, tiro a partir de amanhã, dia 29, férias aqui no jornal. Passo alguns dias em Salvador para ver a final da Copa do Brasil entre Santos e Vitória e regresso no final de agosto, quando irão faltar poucos meses para o carnaval. Um forte abraço e até a volta!