Um homem artificial e a história da nossa miséria
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Um homem artificial e a história da nossa miséria

Ricardo Lombardi

16 de fevereiro de 2009 | 06h10

Circular: “Se a civilização impõe sacrifícios tão grandes não só à sexualidade humana, mas à sua agressividade, podemos entender melhor por que é tão difícil para o homem ser feliz na civilização. De fato, o homem primitivo estava em situação vantajosa por não conhecer restrições ao instinto. Em contrapartida, sua perspectiva de usufruir desta felicidade por qualquer intervalo maior de tempo era diminuta. O homem civilizado trocou uma parcela das suas possibilidades de felicidade por uma parcela de segurança.” (Freud)

“Querem saber a história abreviada de quase toda a nossa miséria? Ei-la: havia um homem natural. No âmago desse homem, entretanto, foi introduzido um homem artificial, e ele desencadeou no interior da caverna uma guerra civil que se prolonga por toda a vida.” (Diderot)

“Naquilo que concordamos denominar ‘civilização’ reside inegavelmente um princípio diabólico do qual o homem apenas se deu conta demasiado tarde, quando não era mais possível remediá-lo.” (E.M. Cioran)

(Via “O Livro das Citações”. Para ilustrar, still de filme de Derek Jarman).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.