As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

"Um dos problemas da vida"

Ricardo Lombardi

24 de março de 2009 | 06h05

Circular: “Eu não entendo essas pessoas moderninhas que não vêem a beleza do ideal da cavalaria, e que não percebem que o ideal seria que cada homem fosse um cavaleiro andante para a própria namorada.

Mas na prática, quando você vai ver, por mais vontade que você tenha de lutar heroicamente contra monstros (reconheçamos, ia ser bonito), você está com sono o tempo todo, e não é heróico lutar contra os supostos dragões simbólicos da vida real, é só chatinho. E uma das verdades do espírito humano é que é mais fácil fazer uma grande coisa heróica do que várias coisas chatinhas.

Então um dia você chega na casa dela e descobre que, porque você não consertou a fechadura da porta como prometeu, o dragão entrou e arranhou todo o braço dela como uma bicha histérica no cabeleireiro. “Ó o meu cotovelo, ó.” E você diz “Ih, vixe.”

E uns dias depois ele entrou de novo e comeu a pontinha da orelha da sua namorada e três dedinhos do pé dela e mais os cachorrinhos, além de ter quebrado a coleção dela de DVDs do Inspetor Clouseau (sem nenhum motivo).

Você teria pulado de penhascos pela sua namorada, teria lutado contra o Leão da Neméia! Mas consertar o tranco da porta era um pouquinho demais.

Um dos problemas da vida é que, para algumas pessoas, pegar uma chave de fenda e consertar um troço qualquer é mais difícil do que pegar uma espada e lutar contra um monstro. Para mim, especialmente, entregar a declaração de renda em dia é mais difícil que rebolar na frente do gigante Adamastor e chamá-lo de marica.

Onde está a glória de preencher o formulário? Onde estão as bandeiras, os coros de vitória, e os quadros épicos retratando a Entrega do Formulário de Declaração de Renda de Pessoa Física Via Internet? Enquanto essas coisas todas não existirem vou ficar sentado aqui com a minha espadinha. Nossa vida está toda errada.”

(Alexandre Soares Silva, lá no blog dele, num texto de 2006 que está devidamente guardado no meu baú). Para ilustrar, trabalho de Richard Serra.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.