Sam Shepard em português: "Terra dos Vivos"
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Sam Shepard em português: "Terra dos Vivos"

Ricardo Lombardi

08 de dezembro de 2009 | 06h27

R18813.inddEm setembro, indiquei aqui um texto inédito que Sam Shepard publicou na New Yorker:  “Land of the Living“. A revista Piauí ouviu minhas preces e publicou uma tradução do conto de Shepard na edição de dezembro, que acaba de chegar às bancas, com o título “Terra dos Vivos”. É só para assinantes, mas espero que os editores não se importem com o meu copy/paste. Começa assim:

Sempre sinto que vou morrer quando entro num avião. Aí, depois de pousar, de volta à terra firme, parece que passei por uma espécie de morte e consegui sair do outro lado. É por isso que tomo Xanax e é por isso que digo que estou feliz por estar vivo

“É incrível como a gente fica sociável tomando Xanax”, ela diz. Estamos de pé há mais de uma hora, debaixo do calor tórrido de Cancún, esperando na longa e sinuosa fila da alfândega. Somos conduzidos como manada, roçando os ombros com outros “fugitivos do frio” de Minnesota que agitam freneticamente os formulários de emigração como leques.

“Eu sei”, digo a ela. “Também fiquei impressionado.”

“Você, impressionado?”

“Sim, fiquei.”

“E por que você deveria ficar impressionado?”

“Bom, é que sinto essa pessoa amistosa se apoderando de mim e me pergunto se não seria essa, talvez, minha verdadeira natureza. Sabe, o meu verdadeiro eu.”

“O que é que muda, exatamente?”

“Estou sob efeito de Xanax.”

“Isso eu sei”, ela diz. “Mas o que é que te faz mais sociável do que antes de tomar Xanax?”

“Bom, não sou uma pessoa particularmente antissocial, sou?”

“Neste momento, não, você não está sendo.”

“Não, quero dizer, normalmente não me vejo como aquele tipo de cara taciturno, mal-humorado.”

“Não falei em taciturno.”

“Bom…”

(A íntegra eu copiei aqui).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.