Realizar um grande trabalho requer uma mente pura
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Realizar um grande trabalho requer uma mente pura

Ricardo Lombardi

07 de abril de 2010 | 21h41

perelmanReleia a matéria da revista piauí sobre Grigory Perelman (foto), o matemático que solucionou a conjectura de Poincaré e acaba de recusar um prêmio de US$ 1 milhão. Um trecho:

“(…) A perspectiva de receber a medalha Fields o forçara a romper totalmente com seu grupo profissional. “Enquanto eu não era visível, tinha uma escolha”, Perelman explicou. “Fazer alguma coisa bem desagradável” – um auê pela falta de integridade da comunidade matemática – “ou, se não fizesse esse tipo de coisa, ser tratado como uma pessoa boazinha. Ora, ao me tornar uma pessoa bem visível, não posso permanecer bonzinho e não dizer nada. Por isso tive de sair.” Perguntamos a Perelman se, ao recusar a medalha Fields e se afastar da profissão, estava eliminando qualquer possibilidade de influenciar a disciplina. “Não sou um político!”, ele respondeu, contrariado. Perelman confirmou o que disse ao não comparecer, em agosto do ano passado, à cerimônia de entrega do prêmio, em Madrid. Perelman não quis dizer se sua objeção às recompensas se estendia ao prêmio de 1 milhão de dólares do Instituto Clay. “Só vou decidir se aceitarei o prêmio depois que ele for oferecido”, respondeu.
Mikhail Gromov, o geômetra russo, declarou que entendia a lógica de Perelman. “Realizar um grande trabalho requer uma mente pura. Você só pode pensar em matemática. Todo o resto é fraqueza humana. Aceitar prêmios é mostrar fraqueza.” Segundo Gromov, outras pessoas poderiam achar arrogante a recusa de Perelman em aceitar a medalha Fields, mas seus princípios são admiráveis. “O cientista ideal faz ciência e nada mais importa para ele”, explicou Gromov. “Ele quer viver seu ideal. Ora, não acho que ele viva realmente nesse plano ideal. Mas gostaria.””

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.