"O mundo virtual tem sua própria realidade, uma realidade prepotente, mas por outro lado fraquíssima, muito fugaz"
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

"O mundo virtual tem sua própria realidade, uma realidade prepotente, mas por outro lado fraquíssima, muito fugaz"

Ricardo Lombardi

04 de setembro de 2010 | 08h08

clock

Muito interessante a entrevista com o filósofo Christoph Türcke, publicada na Folha de S.Paulo de hoje. “Ele defende que o aprofundamento da revolução tecnológica, no final do século 20, provoca um frenesi viciante de ‘choques’ imagéticos e visuais”, diz o texto. “Assim como as drogas evoluíram em potência -do ópio para a morfina e heroína, das bebidas fermentadas para as destiladas-, a ‘metralhadora audiovisual’ contemporânea provocou um aumento de dependência por parte de seus ‘usuários’. ‘Isso é o que chamo de distração concentrada.’ Türcke lança no dia 9, em São Paulo, o livro “Sociedade Excitada” (Unicamp). A seguir, um trecho da entrevista.

 Como o vício define a sociedade da sensação?
Vício como fenômeno particular -como dependência física de certas substâncias (drogas)- está modificando um fenômeno geral, pois a máquina audiovisual também vicia. Quem presta atenção à tela se dedica a ela, vive uma dependência crescente dela, vincula suas expectativas, sua economia emocional e intelectual a ela. Assim como o drogado aplica injeções de heroína, uma sociedade que depende da tela se expõe a bilhões de choques imagéticos. O choque singular é mínimo, quase imperceptível e não faz mal. Bilhões, no entanto, destroem justamente a atenção que elas atraem magneticamente.

Então, em um mundo conectado como o atual, as pessoas estão virtualmente viciadas?
O vício é real. Surge em organismos físicos, não num agregado de pixel. O mundo virtual tem sua própria realidade, uma realidade prepotente, mas por outro lado fraquíssima, muito fugaz, não consistindo senão numa constelação de impulsos eletrônicos. Ao desligar a eletricidade a virtualidade inteira desaparece.

(para ilustrar o post, a capa de “The Clock withouth a face”, trabalho de Scott Teplin).