O futuro da leitura: impresso versus digital
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O futuro da leitura: impresso versus digital

Ricardo Lombardi

28 de julho de 2008 | 06h49

O New York Times começou a publicar, em sua edição de ontem, uma série de reportagens sobre “O futuro da leitura” (ou como eles mesmos chamaram, a batalha entre o “digital” e o “impresso”). A idéia é mostrar como a internet e outras “forças tecnológicas e sociais” estão mudando a maneira das pessoas lerem. A primeira matéria focou no comportamento dos adolescentes americanos e no “debate passional sobre o que significa ler na era digital”. Enquanto alguns argumentam que as horas gastas na frente de um computador, navegando na internet, são as inimigas da leitura — prejudicando a alfabetização e destruindo uma “valiosa cultura comum” que existe apenas por meio da leitura de livros, outros dizem que a internet criou uma nova forma de leitura, um tipo que as escolas e a sociedade não devem desprezar. A web pode, por exemplo, inspirar adolescentes que estariam gastando tempo na frente da TV, parados, a ler e a escrever, segundo mostra o texto. “Ler numa página impresa e na internet é diferente. No papel, um texto tem um começo, um meio e um fim pré-determinado, em que leitores focam por um período de tempo na visão de um autor. Na internet, os leitores passeiam pelo cyberspace à vontade, compondo seu próprios começos, meios e fins”. Um infográfico mostra as capacidades desses “novos leitores”, segundo alguns pesquisadores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: