O dinheiro e o mundo em 2200
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O dinheiro e o mundo em 2200

Ricardo Lombardi

21 de outubro de 2008 | 06h36

O que o sr. acha que um historiador no ano de 2200 vai dizer quando olhar para trás e analisar este final de milênio?

Barbrook – Acho que ele vai ter dificuldade em entender que nós usávamos dinheiro. O mesmo tipo de dificuldade que temos em imaginar hoje em dia como eram as relações feudais de suserania e vassalagem.

O que eu acho interessante é que esta utopia da ‘economia da doação’ (gift economy) não é algo apocalíptico, dramático, com pessoas agitando bandeiras nas ruas — uma visão corrente da transição para uma sociedade utópica. Do meu ponto de vista, é algo banal e mundano e que está sendo feito a partir da prática cotidiana das pessoas.”

O trecho acima foi tirado de uma entrevista que o professor Richard Barbrook concedeu ao jornalista Rogério Pacheco Jordão, há quase uma década. Continua atual. Via Nas Entrelinhas, lembrado pelo próprio Rogério.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: