"Depois do quinto drink, eu desmaio"
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

"Depois do quinto drink, eu desmaio"

Ricardo Lombardi

06 de janeiro de 2009 | 06h05

Circular: “A melhor maneira de segurar os filhos em casa é fazer do lar um lugar agradável — e esvaziar os pneus do carro. (Dorothy Parker)

Sou judia. Não faço ginástica. Se Deus quisesse que fizéssemos flexões, espalharia diamantes pelo chão. (Joan Rivers)

Todo homem tem o direito de ser imbecil por conta própria. (Ivan Lessa)

Quando se tem vinte anos, a gente vive querendo saber quem transa com as garotas de vinte. Aos trinta, descobre. (Ziraldo)

Pode-se ver um monte de sujeitos inteligentes com mulheres burras, mas você dificilmente verá uma mulher inteligente com um sujeito burro. (Erica Jong)

Não confio em produto local. Sempre que viajo levo meu uísque e minha mulher. (Fernando Sabino)

Depois de quatro drinques, meu marido se torna um chato. E, depois do quinto, eu desmaio. (Joan Rivers – foto)

Algumas mulheres permanecem na memória de um homem, mesmo que ele as tenha visto por um único segundo, atravessando a rua. (Rudyard Kipling)

Nunca tenha filhos. Só netos. (Gore Vidal)

Algumas pessoas têm aquele rosto que, depois de visto, nunca mais é lembrado. (Oscar Wilde)

Cuidado com o homem que não devolve a bofetada: ele não a perdoou, nem permitiu que você se perdoasse. (George Bernard Shaw)”

(“O Amor de Mau Humor”, seleção e edição de Ruy Castro).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.