Carne del diablo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Carne del diablo

Ricardo Lombardi

20 de outubro de 2009 | 06h30

leclezio

Circular: “Eu como Spam americano. Muito tempo depois, guardo as latas abertas com uma chave para transformá-las em navios de guerra que pinto cuidadosamente de cinza. A pasta rosa que essas latas contêm, envolta em gelatina, meio com gosto de sabão, me enche de felicidade. Seu cheiro de carne fresca, a fina película de gordura que o patê deixa em minha língua, que me forra o fundo da garganta. Para os outros, mais tarde, para aqueles que não conheceram a fome, esse patê deve ser sinônimo de horror, de comida de pobre. Vinte e cinco anos depois reencontrei-o no México, em Belize, nas lojinhas de Chetumal, de Felipe Carrillo Puerto, de Orange Walk. Por lá ele se chama carne del diablo, carne do diabo. É o mesmo Spam, em sua lata azul ornada com uma imagem que mostra o patê em fatias sobre uma folha de alface.”

J. M. G. Le Clézio, “Refrão da Fome” (Via blog do Almir de Freitas).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: