"A mídia fala muito em paixão e pouco em amor"
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

"A mídia fala muito em paixão e pouco em amor"

Ricardo Lombardi

26 de novembro de 2009 | 06h17

dust

Circular: “Uma das maiores realizações que se espera da vida é a paixão, um encontro amoroso intenso, pleno. O problema é que não temos segurança dele. Quanto mais me apaixono, maior o risco de me iludir. A paixão — do grego pathos, que designa a situação em que sou passivo (em oposição à ação) e minha razão fica inibida — não é boa juíza de caráter ou de relações. O encontro emocional intenso pode dar errado. Sua base pode ser frágil. Por isso, parece necessário cada pessoa construir o sentido de sua vida (seu ‘eixo’) sozinha, e balizar a relação com o outro por essa prévia definição pessoal. (…) A mídia fala muito em paixão e pouco em amor. O amor sempre aparece como algo menor que a paixão. O coração não dispara. Parece coisa de velho. Não assitimos a histórias de amor, só de paixão. Talvez esteja na hora de começarmos a contar histórias de amor, não só de enganos. Aprendemos a viver escutando narrativas. É hora de pensar que ‘foram felizes para sempre’ só é possível com o amor, não com o fulgor passional.”

Renato Janine Ribeiro, “A insuportável liberdade do amor”, via blog do Armando Antenore. Para ilustrar o post “Human Dust”, fotografia de Agnes Denes de 1969.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: